Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Estudo mostra lobby da indústria do tabaco no País (4/6/2007)
Paula Johns

Fonte: O Estado de São Paulo

31/05/2007


Documento aponta que empresas tentaram influenciar mídia e associação de bares, além de pagar pesquisa


Lisandra Paraguassú, Brasília


Um relatório divulgado ontem pela Organização Pan-americana de Saúde (Opas) mostra que as principais fábricas de cigarros que atuam no Brasil tentaram influenciar empresas jornalísticas e associações de bares e restaurantes, financiaram pesquisas e patrocinaram campanhas por “liberdade de escolha” e convivência “harmoniosa” entre fumantes e não-fumantes. Hoje é celebrado o Dia Mundial sem Tabaco.


O relatório tem como base documentos das próprias empresas, tornados públicos nos Estados Unidos e no Canadá depois de ações judiciais naqueles países, sedes das empresas. Mostra que a indústria tentou conter o avanço da legislação que bania o fumo em locais públicos e evitar que o Brasil assinasse a Convenção-Quadro sobre Controle do Tabaco da Organização Mundial de Saúde.


Os documentos vão até 2004, e o relatório é a primeira fase do trabalho de análise do material feito pela Opas. A intenção é aprofundar cada ponto em relatórios subseqüentes. Nesse primeiro, a organização mostra que as indústrias começaram atacando a idéia de que o tabaco causava dependência, como outras drogas. Depois, a de que o fumo passivo também causava doenças como câncer.


Um dos maiores investimentos no Brasil foi em programas de convivência entre fumantes e não-fumantes. Quando o governo brasileiro adotou legislação que estabelecia áreas para não-fumantes em ambientes fechados, ela foi vista como uma vitória pela indústria. Segundo o relatório, as fabricantes de cigarros trabalharam de perto com associações de bares e restaurantes - seus profissionais chegaram a usar cartões de visitas das associações - em defesa de leis menos restritivas.


Além do marketing agressivo, com patrocínio de eventos culturais e esportivos, a indústria investiu em seminários com jornalistas. Os encontros, um deles realizado em Miami, juntavam diretores das empresas com especialistas e pesquisadores patrocinados pela indústria.


Em um dos relatórios, representantes das indústrias comemoram os resultados: “Cada gerente da British American Tobacco (dona da Souza Cruz no Brasil) reforçou a alta qualidade do seminário e os resultados positivos na mídia, com especial ênfase naqueles que, antes de participarem, tinham posições fortemente contra o tabaco.” A estratégia teria sido tão bem-sucedida que os representantes da BAT teriam sugerido repetição em outras regiões do mundo.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2