Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Metade das mulheres que precisaram colocar ponte-safena era fumante (19/12/2006)
Paula Johns

Fonte: http://www.gazetadelimeira.com.br/site/index.php?mod=noticias%2Fexibe_noticia.php%3Fcodigo%3D31131

Data: 17/12/2006

Um levantamento inédito feito na Unidade Coronária (UCO) da Santa Casa de Limeira nunca revelou um dado tão significativo e preciso. No período de 2003 a março de 2006, 100 mulheres precisaram colocar ponte-safena. Destas, pelo menos a metade tinha o fumo como um dos principais fatores de risco.

O prontuário das pacientes foi a ferramenta utilizada para a pesquisa de Andresa Cristina Medeiros de Souza, que até então, era técnica de enfermagem na UCO. Este levantamento foi autorizado pelos responsáveis da unidade e também pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Hospital Irmandade da Santa Casa de Limeira. Ela utilizou essas informações para a elaboração de uma monografia para Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da Faculdades Integradas Einstein de Limeira (Fiel).
O resultado da pesquisa rendeu-lhe méritos, porque de acordo com o coordenador da UCO, o cirurgião cardiovascular Marcelo Prata, nunca foi nada parecido no local para expor à sociedade, com comprovações, de como o cigarro pode influenciar nas doenças do coração.
Todas as 100 mulheres que passaram pelo procedimento no local tiveram enfarte. Confome descrito na monografia, o problema ocorre quando os vasos sangüíneos que levam oxigênio para o coração, as artérias coronárias vão se estreitando e diminuem até ficarem totalmente obstruídos. “Este estreitamento é causado por placas de gordura na parede do vaso sangüíneo ou pela agregação de plaquetas sobre uma dessas placas de gordura. Quando a obstrução se torna grave, ocorre o ataque cardíaco”, explicou. A cirurgia de revascularização miocárdica, a ponte-safena, é uma solução.
Os componentes do cigarro, segundo Andreza, facilitam a obstrução dos vasos. Contudo, o fato foi abordado com as mulheres porque “cada vez mais tem aumentado o número de fumantes do sexo feminino, e cada vez mais cedo”. “Se as pessoas parassem para refletir sobre estes números, perceberiam que a situação é muito grave. Eu não imaginava que o resultado da pesquisa seria tão assustador”, destacou.
A PESQUISA
Andreza também constatou neste período de avaliação dos prontuários, que ao todo, 333 pessoas, entre homens e mulheres, precisaram passar pela cirurgia de implantação da ponte-safena. Apesar de oficializado, deste número 100 eram mulheres e exatamente a metade afirmou ter fumado, Andreza acredita que o número de tabagistas era maior. “É que muita gente sente receio ao afirmou para o médico que fuma”, acrescentou.
80% também tinham a hipertensão como fator de risco e 28% das mulheres tinham idade entre 51 e 60 anos. Uma porcentagem alarmante de incidência está na faixa etária dos 30 aos 40 anos: 5%. “Esta é uma idade considerada jovem para desenvolver o problema”, enfatizou.
Além de tudo, um fato importante relatado na pesquisa diz respeito ao fumo associado ao anticoncepcional. Conforme descrito na monografia, esta relação de substâncias aumenta a incidência de ocorrência de enfarte do miocárdio, assim como potencializa os efeitos maléficos da hipertensão e dos altos níveis de colesterol, fatores coadjuvantes no aparecimento de doenças coronarianas nas mulheres.
O banca de professores que avaliaram o TCC de Andreza deu nota 10 e, agora, ela receberá o diploma de enfermeira. Ela também já foi avisada que o trabalho será encaminhado a dois congressos de medicina. Diante de tudo, o coordenador da UCO também afirmou que Andreza prestou um enorme serviço à sociedade, colaborando para a conscientização dos perigos e conseqüências do cigarro no organismo. (RR)

Jornalista: Gazeta de Limeira

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2