Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Proibição ao fumo melhora saúde da cidade, diz estudo (14/1/2009)
G1


Fumo foi completamente banido em Pueblo, Colorado (EUA).
Após 18 meses, internações por ataque cardíaco caíram 27%.

Nicholas Bakalar Do New York Times’

Será que a proibição do fumo em espaços públicos melhora a saúde da população? Um novo estudo conclui que sim, e os efeitos são amplos e duradouros.

A proibição ao fumo entrou em vigor no município de Pueblo, Colorado, em 2003. Pesquisadores monitoraram a incidência de ataques cardíacos na região, comparando as taxas da cidade com municípios vizinhos e próximos onde não havia tal proibição. A análise dos pesquisadores aparece na edição de 2 de janeiro do " Morbidity and Mortality Weekly Report".

Nos 18 meses antecedentes à proibição do fumo, as taxas na cidade e nas áreas vizinhas eram idênticas e declinavam lentamente. Porém, nos 18 meses após a nova lei entrar em vigor, as hospitalizações por ataques cardíacos diminuíram 27% na cidade, enquanto permaneceram inalteradas nos outros dois distritos de comparação. Após outros 18 meses, até junho de 2006, as taxas na cidade eram 41% mais baixas do que antes da proibição do fumo, e continuaram inalteradas nas áreas vizinhas.

Christine Nevin-Woods, diretora executiva da Secretaria de Saúde do Condado e da Cidade de Pueblo, que conduziu a pesquisa, reconheceu que o estudo não monitorou o tabagismo, e que não ficou claro se a proibição do fumo realmente levou à redução no número de fumantes. Ainda assim, ela disse: "Descobrimos, surpreendentemente, que a proibição ao fumo tem diminuído as taxas de ataques cardíacos significativamente, e essas taxas continuam a cair no longo prazo."

 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2