Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Cortina de fumaça (2/8/2009)
Folha de S. Paulo

Ecoando discurso de um fumante inveterado, seu personagem em "Restos", monólogo de Neil LaBute que estreia em São Paulo dia 20, ator Antonio Fagundes critica a Lei Antifumo e diz que vai "peitar" a medida e acender cigarro em cena
Rafael Hupsel/Folha Imagem
 

Antonio Fagundes, 60, que vai estrelar o monólogo "Restos, sob direção de Márcio Aurélio; ator encarna fumante que, durante velório, relembra a relação com sua mulher, vítima de câncer

LUCAS NEVES
DA REPORTAGEM LOCAL
Se todo ator incorpora traços dos tipos que interpreta, parece que Antonio Fagundes, 60, escolheu o que levar de seu personagem em "Restos", de Neil LaBute, antes da estreia no dia 20, em São Paulo, no teatro Faap: o ataque à patrulha antitabagista.
Em cena, dirigido por Márcio Aurélio ("Agreste"), ele encarna um fumante inveterado que repassa -com suspiros saudosistas e certa birra dos modos contemporâneos- as fases de sua relação com a mulher cujo corpo está sendo velado.
Ela morreu de câncer, ele está na fila. Pouco importa. "Guardem seus panfletos ou qualquer outra merda sobre o assunto, ok? A vida é minha, pelo menos o que resta dela", diz à plateia.
O texto de LaBute é farto em rubricas que pedem um cigarro à mão. Mas a Lei Antifumo que entra vigor na sexta no Estado de São Paulo impede que atores fumem em cena sem autorização judicial. É aí que Fagundes toma emprestado o tom incisivo do personagem:
"Vou peitar isso e fumar. Temos um problema de censura. É um precedente grave se a gente não fala nada. Fiquei surpreso que os fumantes tenham ficado quietos. O brasileiro está muito quieto para tudo. Espero que os fumantes não votem nas pessoas que aprovaram essa lei. É engraçado, porque parece que o [governador José] Serra é ex-fumante. Não tem coisa pior do que ex".
Para Fagundes, "começa assim; amanhã, vão dizer que não pode beijar na boca porque passa gripe suína; depois, não pode mostrar assassinato [em cena], porque é contra a lei. As pessoas ainda não perceberam, a liberdade não se perde de uma vez. Os puritanos proibiram o teatro na Inglaterra por décadas pois achavam que era satânico. Caminhamos para isso".
Sem patrocínio para a montagem de "Restos", o ator também tece críticas ao debate sobre a reforma da Lei Rouanet, que concede às empresas que investem em produções artísticas isenção de parte do Imposto de Renda devido.
"As pessoas que redigem a lei deveriam entender o mecanismo de produção de teatro, saber quanto custa manter um espetáculo em cartaz, anunciar num jornal. Não tem ninguém nessas comissões que já tenha feito teatro? [Quando se fala em mudar a lei] Dá a impressão de que é um movimento rancoroso, do tipo "só estes caras que não precisam [por serem famosos] recebem dinheiro". É claro que precisam!"
Por conta das restrições previstas na Rouanet aos gastos com divulgação, os espetáculos estreiam, segundo Fagundes, com "morte anunciada". "Você fica em cartaz por pouco tempo. Ou seja, se antes se falava em espetáculos de elite, agora são peças para a elite da elite, porque não são só para quem pode pagar, mas para quem corre para pagar", observa.

Seu Zé e Dona Maria
Ao longo dos 43 anos de carreira teatral, transitou com desenvoltura entre a dramaturgia engajada do Teatro de Arena, musicais da Broadway, montagens de clássicos (como "Macbeth" e "Gata em Teto de Zinco Quente") e empreitadas de risco, como "Carmem com Filtro", estreia de Gerald Thomas na cena paulistana. Sempre com uma piscada de olhos para "seu Zé e dona Maria" -como se refere ao espectador pouco familiarizado com teatro.
"Estamos acostumados a ensinar filosofia a quem não sabe ler. Parte-se do princípio de que quem foi lá [ao teatro] sabe tudo", afirma. "Defendo a tradição teatral para um público que não a conhece. Sempre pensei assim: só vou fazer experiência na minha vida quando tiver feito o resto todo. No Brasil, parte-se para a inovação antes de se ter experiência."
Daí seu descontentamento com o abandono "da cortina, da sala convencional". "Criaram-se espaços que não são teatros. Você pode inovar sem deixar de dar ao público conforto. Já cansei de sentar em cima de prego. Não acho interessante. A gente não tem mais maquiagem, grandes figurinos, cenários, efeitos. O próprio texto deixou de ter surpresas."
Não é o caso de "Restos", dotado de uma reviravolta que, nos momentos finais, atira no colo do público um segredo oculto pela cortina de fumaça.

Proibição do cigarro no teatro incomoda artistas
Lei que entra em vigor esta semana exige autorização judicial para fumar em cena
Exceção a cultos religiosos não se aplica a espetáculos cênicos; para atores e diretores, legislação ameaça liberdade artística


JOSÉ ORENSTEIN
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
Onde tem fogo tem fumaça. E é na boca de cena que a coisa começa a esquentar. A partir de sexta-feira, dia 7 de agosto, entra em vigor em todo o Estado de São Paulo a lei que proíbe fumar em ambientes fechados de uso coletivo.

No extenso rol de lugares proscritos estão cinemas, bares, lanchonetes, boates, restaurantes, hotéis, centros comerciais, bancos, supermercados, açougues e... teatros.

Quem quiser acender um cigarro, cachimbo ou charuto "cenográficos", deverá pedir autorização judicial, explicando o porquê de a fumaça ter que se espalhar pelo palco. Ao juiz caberá decidir se o fumo é de fato imprescindível na construção dramática.

A medida vem preocupando alguns atores e diretores, que veem na lei um cerceamento da liberdade artística. É o caso da atriz Mika Lins, que está em cartaz no Sesc Consolação com a peça "Memórias do Subsolo", uma adaptação do livro de Dostoiévski. "Eu fumo dois cigarros em cena, a frente do cenário tem um monte de bitucas. Faz parte da concepção do espetáculo, é quase um acessório de pensamento", afirma.

"Acho o fim. É um absurdo essa história de ter que se justificar. Sei que tem multa, mas estou disposta a pagar ou recorrer na Justiça", diz a atriz. A penalidade deve recair sobre o dono do estabelecimento.
Antonio Rocco, que dirige o teatro N.ex.t. -para onde Lins muda sua peça a partir do dia 11-, diz não estar preocupado. "É uma lei de saúde pública. Não foi pensada para espetáculos teatrais. Isso vai mudar."

Salvo-conduto
Já o ator e diretor Celso Frateschi, em cartaz com duas peças no teatro Ágora -que não utilizam cigarros-, diz achar "patética" a lei. "Se tiver que usar cigarro em cena, vou usar sem dúvida. É uma hipocrisia uma cidade que não controla a poluição dos carros fazer isso. É quase revoltante", comenta.

Além de tabacarias e afins, cultos religiosos "em que o uso de produto fumígeno faça parte do ritual" têm salvo-conduto.

"É uma incoerência que soa quase como um privilégio. Por que não há uma exceção de natureza artística?", pergunta o diretor José Henrique de Paula. Sua peça "As Troianas", em cartaz no Instituto Cultural Capobianco até dia 16, usava cigarros em cena, mas eles foram retirados a pedidos da instituição. "Não era um objeto crucial para a narrativa. Era um elemento que apenas ajudava numa concepção mais realista da peça", conta.

O diretor do teatro Oficina, José Celso Martinez Corrêa, que está ensaiando a peça "Cacilda!!", com cenas em que se usa o cigarro, dá outra interpretação para a lei: "O teatro é um culto religioso, dionisíaco. Então, tá liberado!".

"Teatrinho realista"
Rodolfo García Vázquez, diretor da peça "Justine", que entra em cartaz no final do mês no Espaço Satyros, engrossa o coro: "Eu não sei qual a diferença entre ato religioso e artístico... Por que proibir só na arte?".
Quem tem opinião diferente é Gerald Thomas. Radicado em Nova York, o ex-fumante acha a lei "ótima". "O cigarro é uma merda, não dá barato, só traz câncer e miséria. As pessoas têm que parar de ver seus ídolos fumando", diz Thomas. Para ele, não é só questão de saúde. "É uma besteira esse teatrinho realista, que precisa de uma mesa, de uma cadeira, de um cigarro. O artista tem que transcender isso tudo."
outro lado

Secretaria de Justiça se dispõe a debater medida

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
A Secretaria Estadual de Saúde disse que a questão do fumo em espetáculos teatrais é mais jurídica do que de saúde pública propriamente, mas que vai cumprir a legislação vigente.
No texto da lei, teatros estão incluídos como locais proibidos e, portanto, quando acionados, os agentes de saúde deverão multar os donos dos estabelecimentos que cometerem a infração.
A Secretaria de Justiça, por meio de sua assessoria de imprensa, disse que "a rigor, está proibido", mas que está "sensível às possíveis manifestações do setor e disposta a discutir a questão se houver demanda".

Para fiscalizar a Lei Antifumo em São Paulo, foram destacados 250 agentes da Vigilância Sanitária Estadual e 250 agentes do Procon.
Além de responder às denúncias que poderão ser feitas por qualquer cidadão, os fiscais vão realizar blitze a qualquer hora do dia.
Segundo o site da lei Antifumo (www.leiantifumo.sp.gov.br), o estabelecimento que desrespeitar a lei receberá multa, que será dobrada em caso de reincidência. Se for flagrado uma terceira vez descumprindo a medida, o local será interditado por 48 horas. E, em caso de nova reincidência, a interdição será de 30 dias. (JO)


 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2