Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Banir fumo reduz internação por infarto, aponta estudo (12/10/2009)
MARIO CESAR CARVALHO - Folha de S.Paulo

http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u636855.shtml

O banimento do fumo em ambientes fechados reduz o número de internamentos por infarto em até 17% no período de um ano após a criação da lei.

A conclusão é de um levantamento feito na Universidade da Califórnia, na qual dois pesquisadores, James Lightwood e Stanton Glantz, revisaram 13 estudos feitos em cidades dos EUA, do Canadá e da Europa, num total de cinco países.

As restrições ao fumo alvos do levantamento são similares à adotada pelo Estado de São Paulo há cerca de dois meses.

A revisão saiu neste mês na revista científica "Circulation", publicada pela Associação Americana de Cardiologia. Três anos depois da adoção de uma lei que veta o fumo em ambientes fechados, as internações por ataques do coração sofrem uma queda de 36%, de acordo com a pesquisa.

Revisão de estudos é quando o pesquisador cria um método a fim de comparar pesquisas de diferentes instituições, feitas com metodologias distintas. Os estudos comparados são de lugares tão díspares quanto Nova York e o Piemonte, na Itália, ou Pueblo, no Colorado.

"Esse estudo acrescenta ao que já se sabia evidências fortes de que o fumo passivo causa ataques do coração e aprovar leis com ambientes 100% livres de fumo é algo que podemos fazer para proteger o público", diz Lightwood, professor de medicina na Universidade da Califórnia em San Francisco.

Estudos isolados apontavam tendências díspares para o banimento do fumo --ora havia queda acentuada de mortes, ora havia uma redução desprezível, que tendia a zero. O levantamento da Universidade da Califórnia é o primeiro a apontar uma tendência consistente de queda dos casos de ataque do coração.

Menos mortes

A cardiologista Jaqueline Scholz Issa, diretora do programa de tratamento de tabagismo do Incor do Hospital das Clínicas, diz que há dois movimentos quando se veta o fumo em ambientes fechados: os não fumantes deixam de respirar fumaça e os fumantes diminuem o consumo. A redução dos ataques do coração está ligada ao que ela classifica como "uma redução brutal" de monóxido de carbonos em bares, restaurantes e locais de trabalho. Sem o veto ao fumo, um ambiente pode ter 17 partes por milhão de monóxido de carbono. Com a proibição, cai para três ou quatro partes.

O monóxido de carbono afeta a função endotelial, que serve para preservar a saúde dos vasos que irrigam o coração. Quem fica meia hora ao lado de um fumante precisa de 12 horas para restaurar a função, segundo Issa. Para a cardiologista, a criação de ambientes livres de fumo reduz as mortes em índices que variam de 10% a 30%.
O infarto agudo do miocárdio é a principal causa de morte no Estado de São Paulo, segundo a Secretaria da Saúde do Estado. Em 2007, o último dado disponível, 18.512 morreram por essa causa, de acordo com o órgão.

Se os índices americanos fossem válidos para São Paulo, isso significa que o número de mortes por essa causa pode cair 3.147 entre agosto deste ano, quando a lei passou a vigorar, e agosto de 2010. Em três anos, a queda de mortalidade pode chegar a 5.554.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2