Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Fumantes não assumem culpa ao voltar a fumar (18/5/2010)
Notícia R7

 Uma pesquisa do Hospital A. C. Camargo, em São Paulo, concluiu que 68% das pessoas que param de fumar e retornam ao cigarro põe culpa na eficácia dos medicamentos, sem assumir a responsabilidade pelo próprio “deslize”. E entre eles, a maioria é jovem.

De acordo com a psiquiatra e coordenadora do Grupo de Apoio ao Tabagista do hospital, Célia Lídia da Costa, o estudo concluiu que a recaída está ligada a falta de consciência de que o próprio paciente precisa decidir se querer parar, sendo que remédios e uma possível orientação psicológica serviriam apenas de apoio. E no jovem falta assumir essa postura pela própria falta de experiência e de assumir responsabilidades.

Segundo a psiquiatra, essa determinação está mais presente em pessoas mais velhas, graças a experiência adquirida ao longo dos anos, que o fizeram ter noção sobre a dificuldade em parar de fumar.

- O que a gente observou é que a idade é um fator associado com a consciência. Pessoa mais velhas já tentaram [parar de fumar], tiveram recaídas e isso vai dando a consciência de que no fundo ela são responsáveis por conseguir ou não parar de fumar. Todo o outro aparato é apenas auxiliar.
Segundo ela, entre os jovens “é uma coisa típica da idade, e faz parte do contexto, ser um pouco irresponsável”.

O estudo foi realizado com 677 pacientes do Hospital A. C. Camargo que haviam conseguido parar com o vício, mas voltaram a fumar no primeiro ano após o tratamento.

Ainda segundo a psiquiatra, quando a pessoa não se responsabiliza pela recaída, fica mais difícil manter a abstinência. Nestes casos, elas colocam toda “a esperança” na medicação, o que geralmente não funciona.

- Os medicamentos são ferramentas psicológicas que ajudam, mas o fumante tem que ter consciência de que quer parar.

Tratamento

Passada essa fase, a psiquiatra afirma que é possível deixar o vício até por conta própria, desde que se tenha muita força de vontade e comece a fracionar o número de cigarros fumados por dia até conseguir parar.

Uma das dicas é perceber se é capaz de fazer isso, sem idas e vindas. Para quem não obteve sucesso em várias tentativas, deve procurar ajuda médica.

- Pode ser um clínico geral, um pneumologista, um psiquiatra, para receber as orientações específicas. O tratamento é individualizado, pois depende do grau do vício.

A pesquisa também questionou os pacientes sobre os fatores psicológicos que teriam colaborado para o retorno. Em respostas de múltipla escolha os pacientes alegaram estresse (53%), aborrecimento (13%), busca por prazer (10%), conflito interno (3%) e não sabe (21%).

Estes dados serão apresentados no Simpósio Latino Americano de Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço e Câncer de Pulmão, promovido pelo Hospital A.C.Camargo. O evento acontece de 20 a 22 de maio no Hotel Grand Mercure Ibirapuera, em São Paulo, e reunirá especialistas da Universidade de Washington, no Estados Unidos, além de outras universidades internacionais e nacionais.
 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2