Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Cigarro, do glamour à maldição (15/4/2012)
Folha Universal

http://www.folhauniversal.com.br/especial/noticias/cigarro-do-glamour-a-maldicao-11487.html

talita.boros@folhauniversal.com.br

Já foi chique tragar. Em 25 anos, o fumo virou vilão da saúde. Brasil proíbe cigarro com sabor. Na Austrália, nem a marca pode aparecer no maço

Pelo menos um bilhão de pessoas ainda devem morrer por uso e exposição ao fumo até o final deste século, de acordo com o relatório da Fundação Mundial do Pulmão e da Sociedade Americana do Câncer. O número equivale a uma morte a cada 6 segundos. Apesar de todas as medidas restritivas tomadas no mundo, na última década as mortes pelo uso de tabaco triplicaram, chegando a 50 milhões. Somente em 2011, 6 milhões de pessoas morreram, sendo 80% delas em países pobres e em desenvolvimento. De acordo com a fundação, o cigarro e outros derivados de tabaco são responsáveis por 15% das mortes de homens em todo o mundo e 7% entre as mulheres.

Considerado durante anos símbolo da elegância e do glamour, o cigarro virou nas últimas duas décadas um dos maiores inimigos da saúde pública mundial. Medidas para restringir seu uso, divulgação e comercialização se multiplicaram em muitos países, na tentativa de frear o responsável por uma das principais causas de morte evitável do planeta. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou por unanimidade, no mês passado, a resolução que proíbe o uso de aditivos que dão sabor a produtos derivados de tabaco, como mentol, chocolate e cravo. Essa é a medida mais recente tomada pelas autoridades do País na luta contra o fumo. Se antes a indústria tabagista conseguia, numa incrível manobra de construção de imagem, associar o cigarro à sedução e ao poder, hoje a sociedade civil, profissionais da saúde e poder público unem forças para controlar e reduzir a epidemia do tabagismo.


Ricardo Henrique Meirelles, pneumologista da Divisão de Controle de Tabagismo do Instituto Nacional do Câncer (Inca), explica que só será possível medir os resultados positivos das leis antifumo daqui a alguns anos. "Grande parte das doenças do tabagismo é de longa duração. Demora um tempo para o viciado adoecer. São doenças de evolução lenta. O que podemos perceber de imediato é que a restrição do fumo reduziu a incidência de doenças cardiovasculares", diz. Hoje o Brasil tem cerca de 25 milhões de fumantes. Meirelles destaca que, em alguns anos, esse alto número de tabagistas ainda deve impactar negativamente nos índices de adoecimento e morte.

O administrador Rui Almeida, de 62 anos, fumante desde os 14, conseguiu deixar o vício há 4 anos. Ele lembra que há poucos anos, o cigarro era socialmente bem aceito nos lugares onde frequentava. "Eu fumava em todos os lugares. No supermercado, no banco e até no ônibus. Ninguém reclamava. Fumar era bonito, transmitia responsabilidade", recorda. A médica Maria Vera Cruz de Oliveira Castellano, coordenadora da Comissão de Tabagismo da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia, diz que o tabaco não era visto como veneno há 30 anos e sim como estilo de vida. Segundo ela, a recente proibição do cigarro aromatizado é uma grande vitória na luta contra o fumo. "O cigarro com sabor era a porta de entrada dos jovens para o vício. O fumo tem gosto desagradável para o iniciante. Com aromatizadores, o jovem era conquistado." Uma pesquisa recente feita no Brasil em parceria om a Organização Mundial de Saúde (OMS) mostrou que o cigarro com sabor é o preferido entre adolescentes de 13 capitais. Os jovens que escolhem esse tipo de produto fumam mais e com maior frequência que aqueles que escolhem cigarros sem aditivos. O estudo foi feito com 17.127 estudantes de 13 a 15 anos. "Um aspecto traiçoeiro da dependência é que quando você fala a um jovem que daqui a 30 anos ele ficará doente, aquilo não o atinge. É distante", diz ela.

O estudante, Emanuel Ferreira, de 20 anos, começou a fumar há 3 anos. Filho de pais fumantes, ele é de uma geração que não se recorda dos tempos em que o cigarro era liberado. "Para mim é impossível pensar que era permitido fumar dentro de avião. É estranho", conta. O pneumologista Ricardo Meirelles ressalta que a única vacina eficiente contra o cigarro é a prevenção. "Temos que continuar a fazer campanhas nas escolas e a reduzir a propaganda." O Brasil é um dos signatários da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco, em vigor desde 2005, que prevê esforços contra o tabagismo no mundo. A sanção da presidente Dilma Rousseff, no final do ano passado, à lei que proíbe o fumo em locais coletivos fechados, acabando com os fumódromos, foi considerada pela OMS como um grande avanço.

Como a indústria enganou as pessoas


Até a metade do século passado não havia nenhum tipo de regulamentação para a propaganda de cigarro. De olho no crescente público, a indústria tabagista usava as mais diferentes formas para explorar os supostos "benefícios" do fumo. Parece incrível dizer isso hoje, mas muitas propagandas exibiam médicos e dentistas recomendando uma marca de cigarro. Até crianças eram usadas em anúncios, mostrando o valor familiar que o cigarro trazia e lembrando como "fumar é bom".


Além disso, a indústria tabagista era patrocinadora de eventos esportivos e artísticos, aliando à imagem do cigarro pessoas de sucesso, como atletas e estrelas do cinema, como Eva Garbo, John Wayne, Fred Astaire, Humphrey Bogart e Frank Sinatra. Pesquisadores da Universidade de Stanford, nos EUA, reuniram várias peças publicitárias de época e organizaram um acervo que percorreu o mundo, mostrando o paradoxo dos anúncios tabagistas.


"Eu estou enviando Chesterfields para todos os meus amigos. Não há melhor Natal que um fumante possa ter", "Minha garganta está a salvo com Craven A. Você pode acreditar na suavidade e qualidade" e "20.679 médicos dizem que Lucky Strike não irrita a garganta" são alguns dos exemplos de mensagens usadas nos anúncios de cigarro. Segundo médicos da Stanford, a indústria fazia relatórios médicos pseudocientíficos e estudos sobre efeitos "benéficos" do cigarro, e usava dados manipulados nos anúncios como se fossem verdades. A propaganda do fumo é proibida no Brasil desde 2000, exceto em pontos de venda de cigarro. Ela é permitida através de pôsteres, painéis e cartazes, além da própria embalagem, hoje considerada o principal veículo de comunicação da indústria. Recentemente a Austrália aprovou a primeira lei do mundo que proíbe as fábricas de cigarro de colocar seus logos nas embalagens. No Brasil, a propaganda não pode estar associada a esportes, nem sugerir o consumo em práticas perigosas. Crianças não podem participar de nenhum anúncio. E é obrigatória a inserção de imagens e frases de advertência em embalagens e anúncios.


Todos contra o fumo


Conheça as ações de alguns dos 192 países signatários da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, da OMS, e veja o que está sendo feito contra o cigarro em todo o mundo:

/


 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2