Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Governo cria cartilha contra lobby tabagista (21/4/2012)
Folha de S. Paulo

Governo cria cartilha contra lobby tabagista

Servidor deve registrar conversa, diz portaria; indústria aponta tratamento discriminatório

 

JOHANNA NUBLAT
DE BRASÍLIA

Às vésperas de fechar o decreto que vai detalhar a aplicação da lei antifumo nacional, o governo lançou uma espécie de "código de ética" de seus funcionários contra o lobby do setor tabagista.

 

A portaria, publicada no "Diário Oficial" da União na quarta, determina que toda audiência entre o agente público e a indústria do tabaco deve ser acompanhada por um segundo servidor. E o assunto deve ser registrado em seguida.

 

Essa e outras medidas valem para funcionários que atuam na Conicq -comissão interministerial que tem como meta implementar no Brasil a Convenção-Quadro, tratado internacional para a redução do consumo do tabaco- e estão diretamente envolvidos na regulamentação da lei nacional.

 

O objetivo da portaria é reduzir o lobby da indústria tabagista e evitar que voltem a ocorrer casos como o relatado pela Folha em 2011, de uma integrante da comissão acusada de ter repassado indevidamente informações a uma das empresas do setor.

 

"Historicamente, uma das ações da indústria é interferir para evitar a redução do consumo do tabaco", afirma Tânia Cavalcante, secretária-executiva da Conicq e funcionária do Inca.

 

A pressão da indústria sobre governos foi o destaque da 15ª Conferência Tabaco ou Saúde, em março, em Cingapura.

É coincidência, diz Tânia, que o texto tenha saído pouco antes de o governo editar o decreto com a lei nacional, mas isso pode ter impacto positivo. "Espero que influencie a regulamentação para não mudar nada do que a gente propôs."

Além da publicidade dos encontros, o texto determina que presentes e financiamento de pesquisas oferecidos pela indústria devem ser rejeitados.

 

Paula Johns, diretora da ACT (Aliança de Controle do Tabagismo), diz que a medida é positiva porque dá ferramentas para fiscalização por parte da sociedade civil. A entidade, porém, faz ressalvas ao texto, que permite, por exemplo, a participação de membros da Conicq em eventos promovidos pela indústria.

 

Em nota, a Abifumo (Associação Brasileira da Indústria do Fumo) afirmou que "as empresas do setor exercem atividades lícitas e não há nenhuma razão objetiva para impedi-las de interagir com a administração pública" e se disse contrária a medidas que concedam "a determinado setor empresarial tratamento discriminatório e não isonômico".

 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2