Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Segundo estudo de órgão ligado à OMS, tipos da doença ligados ao tabagismo e obesidade vão crescer em países mais ricos (2/6/2012)
Veja on line

O número de casos de câncer no mundo deverá aumentar em 75% até 2030. Essa é a conclusão de um estudo feito pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC, na sigla em inglês), órgão ligado à Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo a pesquisa, essa taxa pode ser ainda mais alta e chegar a 90% em países mais pobres. Os resultados foram publicados nesta sexta-feira na revista The Lancet Oncology.

Nesse levantamento, os pesquisadores se basearam no registro de novos casos de câncer em 184 países no ano de 2008 para fazerem uma projeção da doença em 2030, quando a população mundial deverá estar mais numerosa e com um maior número de idosos. De acordo com o artigo, enquanto 12,7 milhões de pessoas tiveram câncer em 2008, 22,2 milhões de indivíduos em todo o mundo deverão receber o diagnóstico da doença em 2030. Em países menos desenvolvidos, os casos de câncer poderão aumentar em até 93%, e em países de renda média, como China, Índia e África do Sul, em até 78%.

 Segundo os autores do estudo, os tipos de câncer que serão mais prevalentes nos próximos anos vão variar de acordo com cada país. Em nações em desenvolvimento ou desenvolvidas que têm um estilo de vida ocidentalizado, ou seja, associado à má alimentação e ao sedentarismo, como Estados Unidos, Brasil, Rússia e Reino Unido, por exemplo, o número de cânceres relacionados à obesidade, como o de mama e o colorretal, e ao tabagismo, especialmente o de pulmão, deverá crescer.

 Por outro lado, em países subdesenvolvidos, especialmente os da África Subsaariana, os casos de cânceres relacionados a quadros de infecção, como o de fígado, de estômago e de colo do útero, provavelmente serão os que vão aumentar. “Esses países estão mais preocupados em lidar com outras doenças, como a aids e a malária, e não estão pensando muito sobre o câncer. Mas agora eles precisam prestar atenção nessa doença também”, diz um dos autores do estudo, Nathan Grey. Para o pesquisador, medidas como vacinação contra o HPV, vírus responsável por causar o câncer de colo do útero, ou de ações contra o tabagismo, podem ajudar a reduzir a incidência de câncer.

"O câncer já é a principal causa de morte em muitos países de renda alta e está prestes a se tornar uma das principais causas de morbidade e mortalidade nas próximas décadas em todas as regiões do mundo. Esse estudo serve como um ponto de referência para chamar a atenção para a necessidade de ações globais que reduzam as taxas de câncer", afirma Freddie Bray, coordenador do estudo. Os autores acreditam que esses resultados mostram que intervenções nas áreas de alimentação e reprodução são fundamentais para a redução da doença no mundo.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2