Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

NÚMEROS E FATOS SOBRE TABAGISMO (22/7/2012)
O Globo

OS CIGARROS têm cerca de 4.700 substâncias que representam malefícios ao organismo; a nicotina é a que causa dependência

16/04/2009 - Ana Branco



MALEFÍCIOS: Morre em média uma pessoa por minuto no Brasil devido a doenças causadas pelo tabagismo, segundo o Ministério da Saúde. São, ao todo, cerca de 200 mil pessoas por ano. Apenas em 2012, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que 37% dos casos de câncer do país estarão relacionados ao cigarro. O Inca mostra ainda que o vício é responsável por 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença coronariana, 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica e 25% das mortes por doença cerebrovascular. No mundo, o tabagismo é a principal causa de morte evitável, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Outras doenças comuns causadas pelo cigarro são aneurisma arterial, trombose vascular, úlcera do aparelho digestivo, infecções respiratórias e impotência sexual no homem. 

SUBSTÂNCIAS TÓXICAS: A cada tragada, a fumaça do cigarro é inalada para os pulmões, levando cerca de 4.700 substâncias tóxicas ao organismo, frisa o Inca. A principal delas é a nicotina, considerada pela OMS uma droga psicoativa que causa dependência. A nicotina chega em 9 segundos ao cérebro e age no sistema nervoso central, liberando dopamina, substância que dá a sensação de prazer. O efeito dura de 30 minutos a duas horas, por isso o fumante recorre a vários cigarros durante o dia. Outra substância é o monóxido de carbono (CO): o mesmo que sai do cano de escapamento dos carros e que é responsável por reduzir a oxigenação sanguínea no corpo. Além disso, o alcatrão, um composto de mais de 40 substâncias cancerígenas, entre elas, o arsênio e resíduos de agrotóxicos. 

DEPENDÊNCIA: Há três tipos de dependência do cigarro: física (da nicotina), psicológica e comportamental. No caso da psicológica, o cigarro está associado às emoções: "são bengalas para lidar com emoções, com solidão, com estresse", afirma a psicóloga Daniela Faertes. A comportamental refere-se aos hábitos associados a fumar: depois das refeições, junto com o café ou com o álcool. O tratamento psicoterápico treina a habilidade para lidar com estes tipos de dependência. Não há dose segura para controlar o vício, costumam dizer especialistas. Portanto, não há dose segura para não se tornar dependente, nem para voltar a fumar com menos intensidade. Um cigarro para o reincidente pode ser suficiente para reavivar o vício. 

PARAR DE FUMAR: O mais importante é escolher uma data para ser o primeiro dia sem cigarro, recomenda o Ministério da Saúde. Este dia não precisa ser um dia de sofrimento. É possível fazer dele uma ocasião especial e é aconselhável programar algo que dê prazer para se distrair e relaxar. Há duas formas de largar o cigarro: a parada imediata, recomendada pelos órgãos de saúde; ou a parada gradual, ou seja, a redução gradual do número de cigarros. Este segundo processo não deve levar mais do que duas semanas. 

BARREIRAS: Síndrome de abstinência, medo de fracassar, dificuldade de lidar com a ansiedade e com o estresse são algumas das principais barreiras para parar de fumar. Entre as mulheres, o ganho de peso é um temor constante e atinge cerca de 48% das fumantes, segundo a psicóloga Daniela Faertes. O periódico British Medical Journal (BMJ) apontou que o receio realmente tem fundamento: fumantes engordam, em média, entre quatro e cinco quilos no primeiro ano sem cigarro. Mas a psicóloga explica que controlar a ansiedade e fazer exercícios pode quebrar este paradigma. Medicamentos e ajuda profissional também ajudam na crise. 

DISTRAIR O VÍCIO: Chupar gelo, escovar os dentes a toda hora, beber água gelada ou comer uma fruta distraem quem tem vontade de fumar, recomenda o Ministério da Saúde. Manter as mãos ocupadas com um elástico ou pedaço de papel também ajuda. A vontade de fumar não dura mais do que alguns minutos. Outra dica é guardar o dinheiro que se gastaria com o cigarro e utilizá-lo em presentes para si próprio ou colocá-lo na poupança. 

resultados: Parar de fumar pode trazer benefícios imediatos ao organismo. De acordo com o Ministério da Saúde, em 20 minutos, a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal; após duas horas, não há mais nicotina no sangue; após oito horas, o nível de oxigênio no sangue se normaliza; após dois dias, o olfato e o paladar ganham sensibilidade; após três semanas, a respiração fica mais fácil e a circulação sanguínea melhora; após dez anos, o risco de sofrer infarto do coração será igual ao de quem nunca fumou, e o risco de desenvolver câncer de pulmão cai à metade. 

ECONOMIA: O Brasil gastou em 2011 cerca de R$ 21 bilhões no tratamento de doenças relacionadas ao tabaco, valor equivalente a 30% do orçamento do Ministério da Saúde nesse período. O dado é da Aliança de Controle do Tabagismo (ACT). Além disso, o tabagismo gera uma perda mundial de US$ 200 bilhões por ano, sendo que a metade nos países em desenvolvimento. Este valor, calculado pelo Banco Mundial, é o resultado da soma de fatores, como o tratamento das doenças relacionadas ao tabaco, mortes de cidadãos em idade produtiva, maior índice de aposentadorias precoces, aumento no índice de faltas ao trabalho e menor produtividade.
Jornal: O GLOBO Autor:  
Editoria: Ciência Tamanho: 885 palavras
Edição: 1 Página: 48
Coluna: Seção:
Caderno: Primeiro Caderno  

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2