Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Indústria do fumo investe em mosaico para atrair clientes (9/6/2013)
Folha de S. Paulo

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/113160-industria-do-fumo-investe-em-mosaico-para-atrair-clientes.shtml

Indústria do fumo investe em mosaico para atrair clientes
Estratégia se tornou alternativa do setor tabagista após lei que proibiu a propaganda em pontos de venda de cigarro


O uso dos painéis foi intensificado em locais onde a fiscalização é mais intensa, como em Brasília e no Rio
JOHANNA NUBLAT DE BRASÍLIA


Quem vai à padaria ou ao posto de gasolina pode se deparar, na hora de pagar a conta, com criativos painéis dispostos sobre o caixa.


Não se trata de arte. São maços de cigarros enfileirados ou dispostos como mosaicos. Essas "intervenções" são a saída encontrada pelas indústrias de fumo para dar destaque a seus produtos.


A nova estratégia é uma resposta da indústria à lei federal de dezembro de 2011, que instituiu os ambientes livres de fumo e vetou a propaganda nos pontos de venda.
Desde que a lei entrou em vigor, só é permitida a "exposição" dos produtos de fumo nestes locais.


O movimento tem se intensificado nos últimos meses, como apontado por técnicos do governo federal e entidades do campo da saúde.
Os técnicos alertam para o risco de os painéis --que cumprem a lei ao pé da letra ao expor os maços-- virarem apenas outra forma de propaganda nas ruas.


"A gente cai no engodo da nova lei, que seria um grande avanço por proibir a publicidade, mas troca seis por meia dúzia. Foi uma pegadinha dentro da lei, para que a Anvisa não pudesse regular de forma mais dura", diz Paula Johns, diretora-executiva da ACT (Aliança de Controle do Tabagismo).


Ela destaca que, em casos vistos em Brasília e no Rio de Janeiro, as embalagens à mostra nem sempre estão à venda ou cheias de cigarro.


FISCALIZAÇÃO
O uso mais intensivo desses painéis foi verificado em locais onde a fiscalização foi apertada, como Brasília, e a estratégia deve ser mantida até que a regulamentação definitiva da lei seja anunciada.
"Esse é um modelo que deverá ser aplicado na falta de uma regulamentação", avalia.
Essa situação deve ser regulada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) assim que for publicado o detalhamento da lei de 2011 --algo sob responsabilidade do Ministério da Saúde e da Presidência, pendente há cerca de um ano e meio.


O ministério diz que ainda finaliza essa regulamentação e que não há um prazo fixado para o seu lançamento.
A ideia é que, após a regulamentação da lei, a Anvisa defina tamanhos máximos para os painéis e uma distância mínima entre eles e doces --para proteger as crianças.


"Foi um grande avanço não ter mais a propaganda no ponto de venda, mas esperamos avançar como outros países e não exibir mais embalagens. Embalagem bonita, emoldurada por neon, é vender veneno com glamour", diz Tânia Cavalcante, funcionária do Inca (Instituto Nacional do Câncer) e secretária-executiva da Conicq, comissão oficial que aplica, no Brasil, uma convenção internacional antitabagista.
Johns e Cavalcante ressaltam que, mesmo um ano e meio após a nova lei, ainda são frequentes o descumprimento das regras e a utilização de imagens e cartazes nos pontos de venda de cigarro.


Procuradas, a Souza Cruz e a Philip Morris informaram que cumprem a legislação em vigor. A Philip Morris afirmou, ainda, que aguarda a regulamentação do governo federal e que vai cumpri-la.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2