Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Irrigação deve se espalhar pelas propriedades de tabaco (31/1/2014)
Zero Hora

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/campo-e-lavoura/noticia/2014/01/irrigacao-deve-se-espalhar-pelas-propriedades-de-tabaco-4404746.html

Vanessa Kannenberg
vanessa.kanennberg

A produção de fumo no Estado costuma permanecer como atividade de uma mesma família ao longo de diferentes gerações. O que não significa que essa cultura não esteja se reinventando por meio de novas tecnologias e para enfrentar pressões diversas (como de mercado e antitabagistas). Mudanças sugeridas pela indústria e por produtores se tornam solução para diferentes problemas econômicos, produtivos e socioambientais. Para identificar as tendências do setor, o Campo e Lavoura buscou a ajuda de especialistas para indicar o que deve se consolidar nos próximos anos.


Irrigação em alta

Em uma cultura tradicional como o tabaco, o uso de tecnologia pode parecer distante. No entanto, a falta de mão de obra torna esse tipo de apoio cada vez mais necessário. Diferentes modelos de mecanização do setor estão em teste nos centros de pesquisa das fumageiras, principalmente aqueles que auxiliam na colheita das folhas de fumo, etapa de produção considerada a mais trabalhosa. O principal entrave ainda
é o preço. O compartilhamento de uma mesma máquina por diversos agricultores ou o aluguel do equipamento estão entre as tendências e alternativas adotadas.

Atualmente, a tecnologia que começa a ganhar espaço nas lavouras é a irrigação. Na propriedade de cinco hectares de Luiz Werlang, de Venâncio Aires, por exemplo, há dois açudes e uma cisterna para captar água da chuva, com capacidade de
10 mil litros. Com canos e bicos de aspersão móveis, ele tem autonomia de levar água somente para as áreas carentes, seja cultivada com tabaco, cana-de-açúcar ou milho.

– É água de graça, que iria embora. De maneira simples, evito perda na lavoura e uso para o float (produção da muda de tabaco), para lavar o chiqueiro e o galpão e no pulverizador – enumera Werlang, que teve mais de 50% de redução na conta de água tratada.

Na estiagem de 2007/2008, enquanto alguns vizinhos de Werlang perderam até 30% da produção, o fumicultor teve prejuízo de menos de 5% graças ao sistema de irrigação.O investimento ficou em torno de R$ 12 mil – incluindo no cálculo uma bomba automática. O produtor planeja, agora, construir novas cisternas

ZERO HORA

 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2