Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Por que é tão difícil parar de fumar? (2/5/2006)
ACTBR

26/04/2006 - 09h02
A tribuna Mato Grosso
Tabagismo
Por que é tão difícil parar de fumar?
 

 

A cada dia, um número maior de indivíduos inicia o uso do cigarro, muitos em idade precoce, motivados por propagandas bonitas e enganosas, influências de "amigos" e "turma", costumes familiares, rebeldia e por outros inúmeros fatores.

O tabaco transformou-se no maior agente causador de doenças e mortes prematuras da história atual. Ele está associado a 30% das mortes por câncer, 90% das mortes por câncer de pulmão, 30% das mortes por doença coronariana, 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica e 25% das mortes por doença cerebrovascular, entre outras, tornando o seu uso um grande problema de saúde pública.

Desde 1993, o Brasil é o maior exportador e o quarto maior produtor de tabaco do mundo e é indiscutível que o recolhimento de impostos sobre esse produto é significativo para a economia do País, mas, provavelmente, fica muito abaixo dos valores gastos com os prejuízos decorrentes do ato de fumar. E os gastos vão muito além do tratamento médico de fumantes, pois geram perdas econômicas ocasionadas pela falta ao trabalho, queda da produtividade, aposentadoria precoce, incêndios, acidentes no trabalho e no trânsito, manutenção de aparelhagens, reposição de móveis, tapetes, cortinas, etc. Portanto, o problema do tabagismo é agravado pelos danos que causa ao meio ambiente doméstico, urbano, rural e social.

A Organização Mundial de Saúde - OMS - considera o fumo o maior agente de poluição doméstica ambiental, sendo as crianças as mais prejudicadas. A convivência involuntária com a fumaça de cigarros transforma não-fumantes em fumantes passivos, com percentual 50% maior de infecções respiratórias nas crianças que convivem com mais de dois fumantes em casa.

No entanto, mesmo com todas essas informações, as pessoas continuam fumando e para uma infinidade de fumantes a frase "Tenho que parar de fumar" mais parece um monstro de sete cabeças e um sonho ainda inatingível.

Mas por que é tão difícil para de fumar? Por que mesmo com os avanços da ciência ainda não se criou uma fórmula mágica de abandono do cigarro?

As respostas para essas e outras perguntas estão sendo aos poucos respondidas por inúmeros estudos no mundo todo.

O cigarro possui mais de 4.700 substâncias em sua composição, mas de todas elas a única responsável pela dependência química é a nicotina. Parar de fumar envolve criar mecanismos para que o organismo se adapte à falta desta substância química e criar artifícios que deverão ser usados para lidar com a dependência psicológica causada pelo cigarro.

Por isso, a dificuldade encontrada por muitos fumantes em abandonar o vício. Deve-se lidar com duas dependências a química (causada pela nicotina e responsável pela temível síndrome de abstinência e sintomas físicos) e a psicológica (causada pelos hábitos e costumes que o fumante relaciona ao cigarro).

Para lidar com a dependência química, a ciência dispõe de recursos já bem conhecidos, quer pela Terapia de Reposição de Nicotina (goma de mascar e adesivos) ou por Terapia Medicamentosa (anti-depressivos monocíclicos ou tricíclicos e anti-hipertensivos).

Porém, apenas isso não é o suficiente e o grande diferencial no novo atendimento para pessoas dispostas a abandonar definitivamente o hábito de fumar é a Terapia Cognitivo-Comportamental, que ensina ao fumante como lidar com a dependência psicológica e o que fazer para se livrar dos hábitos, manias e costumes de fumante.

Parar de fumar não é uma missão impossível quando se alia vontade e recursos adequados, sendo o impulso principal e o mais importante de todos QUERER parar.

Buscar apoio em profissionais habilitados vêm sendo o meio mais eficaz no combate ao tabagismo, o acompanhamento feito por esses profissionais permitem que a pessoa tenha mais recursos para lidar com as situações por ele vivenciadas, fazendo a diferença entre o tentar e o conseguir parar de fumar.

Decidir parar é o primeiro passo, ter sempre em mente os motivos que o fazem querer abandonar o cigarro e imaginar os benefícios que você terá tanto na saúde como na vida pessoal, social, profissional e familiar são passos também importantes e que servem como "combustíveis" para impulsioná-lo ao sucesso, isso associado ao acompanhamento profissional e ao tratamento adequado à sua necessidade tornarão possível o abandono do cigarro de forma definitiva.

Não perca mais tempo e saúde, busque ajuda e pare de fumar, mostre a si mesmo e a todos que o cercam que você pode e consegue.

Autora:

Dra. Paula Fabricia Avila de Campos

Reabilitação Cardíaca e Pulmonar. Intervencionista em Grupos de Apoio à Cessação do Tabagismo pelo Prev-Fumo da UNIFESP

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2