Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Primeiro dia da COP7 em meio à camada de poluição (7/11/2016)
Zero Hora

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/11/primeiro-dia-da-cop7-em-meio-a-camada-de-poluicao-8190455.html

Conferência global de controle do tabaco ocorre durante pico histórico de poluição no ar

Por: Joana Colussi - Direto da Índia
07/11/2016 - 16h20min | Atualizada em 07/11/2016 - 16h34min

Reunidos na Índia, durante a 7ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (COP7), delegações oficiais de mais de 100 países depararam-se com outro problema de saúde pública: a poluição atmosférica. Na semana em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) promove o encontro mundial para traçar ações de combate ao cigarro, a região metropolitana de Nova Délhi enfrenta um dos piores níveis de partículas perigosas presentes no ar dos últimos 20 anos.


No primeiro dia, representantes relataram as medidas implementadas para reduzir o número de fumantes no mundo
Foto: Joana Colussi / Agencia RBS
A semana da COP7 coincidiu com o período de queimadas de resíduos em fazendas de regiões próximas e início do inverno na Índia, agravado pelos fogos de artifícios do festival hindu de Diwali na semana passada. Tudo somado à habitual poeira gerada por construções e as emissões de gases de efeito estufa emitidos por veículos.

— É um problema de saúde pública de outra natureza. Mas é no mínimo irônico que estejamos aqui discutindo formas de conter o tabagismo e que não consigamos respirar ar puro na rua — disse o embaixador do Brasil na Índia, Tovar da Silva Nunes.

No primeiro dia da conferência global, representantes das delegações oficiais fizeram seus pronunciamentos voltados aos malefícios do cigarro e as medidas implementadas até agora para reduzir o número de fumantes no mundo. Secretária-geral da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, a brasileira Vera Luiza Costa e Silva falou sobre a atuação da indústria e sobre a necessidade de manter as ações de controle.

— Há um conflito de interesse em relação às políticas públicas para conter o tabagismo — disse Vera.


O Brasil é o maior exportador mundial de fumo e segundo maior produtor, atrás apenas da China. O Rio Grande do Sul concentra quase 50% da produção brasileira. O tamanho da delegação oficial representada na COP7, chefiada por Carlos Cuenca, do Ministério de Relações Exteriores, é proporcional à importância do setor. São 15 pessoas entre ministérios da Saúde, Agricultura, Casa Civil e agências reguladoras.

— Tivemos grandes avanços nesses 10 anos de COP, desde que o tratado internacional foi ratificado. Agora chegamos em um ponto de amadurecimento e consolidação desse trabalho — disse Cuenca.

Entre os assuntos que serão tratados até o próximo sábado durante a COP7, estão o controle do uso de ingredientes no cigarro, como umectantes que tornam o produto mais palatável, a possibilidade de estabelecer embalagem genérica para o setor e o comércio ilícito do produto no Brasil — especialmente vindo do Paraguai.

— São medidas que afetam diretamente um segmento muito importante para a economia brasileira, por isso buscamos essa transparência nas decisões — disse o presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), Iro Schünke, que está na Índia juntamente com comitiva de empresários, produtores, deputados e prefeitos gaúchos e catarinenses.

 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2