Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Califórnia iguala poluição de fumo à de carro (28/1/2006)
ACTBR

Folha de S.Paulo, seção Mundo, 28/01/06.
 
COMPORTAMENTO

Estado americano declara a fumaça de cigarro tão nociva quanto o benzeno e avalia medidas a tomar


Califórnia iguala poluição de fumo à de carro

DON THOMPSON
DA ASSOCIATED PRESS, EM SACRAMENTO

A Califórnia declarou a fumaça de cigarros um poluente tóxico do ar, colocando-o na mesma categoria que os gases produzidos por veículos movidos a diesel, o arsênico e o benzeno, em função de seu vínculo com o câncer de mama. A partir de agora, o Conselho de Recursos do Ar, autor da classificação, terá que analisar medidas para reduzir a exposição do público à fumaça. O processo pode levar anos.
A decisão da noite de anteontem, inédita em um Estado americano, tem como base um relatório que constatou um aumento grande do risco de câncer de mama entre mulheres jovens que são fumantes passivas. Além disso, o relatório vincula a fumaça de cigarros a partos prematuros, asma e doenças cardíacas, além de outros tipos de câncer e vários problemas de saúde em crianças.
"Se as pessoas quiserem tratar o câncer de mama com seriedade, terão que incluir a questão da fumaça passiva", disse Stanton Glantz, diretor do Centro de Controle, Pesquisas e Educação do Tabaco na Universidade da Califórnia em San Francisco.
O relatório redigido por cientistas do Escritório de Avaliação de Perigos à Saúde Ambiental da Califórnia baseou-se em mais de mil outros estudos sobre fumaça de cigarros, à qual atribuiu 4.000 mortes por ano na Califórnia apenas de câncer pulmonar ou doenças cardíacas. A mais importante descoberta citada pelas autoridades é que as mulheres jovens expostas ao fumo passivo aumentam em entre 68% e 120% seu risco de apresentar câncer de mama.
A conclusão conflita com um relatório publicado em 2004 pelo diretor nacional de saúde dos EUA. Em depoimento, Sanford Barsky, um pesquisador que escrevia em nome da companhia de cigarros R.J. Reynolds, disse ao Conselho que o relatório estadual "ou não menciona ou não dá o peso correto" aos estudos que refutam a existência de um vínculo entre a fumaça secundária de cigarros e o câncer de mama.

Pesquisas
Segundo John Froines, diretor do Centro de Saúde Ocupacional e Ambiental da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e do comitê de revisão científica, o relatório estadual passou por uma revisão que adiou sua divulgação em quase um ano e é baseado em pesquisas sólidas.
Um porta-voz da R.J. Reynolds, David Howard, disse que, independentemente dos riscos causados pela fumaça em ambientes fechados, não há pesquisas que fundamentem a decisão de declará-la poluente aéreo. "Não há estudos que mostrem que a exposição à fumaça de cigarros ao ar livre leve a qualquer aumento no risco de doenças associadas ao fumo."
De acordo com Paul Knepprath, vice-presidente de relações governamentais da Associação Pulmonar Americana da Califórnia, boa parte do esforço inicial no Estado será voltado à educação pública.
Em 2003 e 2004 a associação tentou, em vão, aprovar uma lei que proibisse o fumo em veículos fechados nos quais houvesse crianças. Knepprath informou que o grupo também pode pedir a criação de alas ou andares de não-fumantes em edifícios residenciais, como ocorre em hotéis.
"Em toda a Califórnia há pessoas que vivem em apartamentos e são diariamente expostas ao fumo secundário vindo de áreas comuns ou outros apartamentos", disse. Para Knepprath, esse fato pode tornar obrigatório, no futuro, a adoção de sistemas de ventilação separados para apartamentos de fumantes e não-fumantes.


Tradução de Clara Allain
-----------------
Tabaco emite mais que motor novo

DA REDAÇÃO

Além de causar câncer, a fumaça de cigarro emite mais partículas de poluição do que alguns motores. A conclusão é de um estudo realizado em 2004, que comparou emissões de matéria particulada de cigarros fumados dentro de casa e dos modelos ambientalmente corretos de motor a diesel, que têm ganho mercado na Europa.
A matéria particulada resultante da combustão, que tem tamanhos variados (de 0,1 a 10 milésimos de milímetro de diâmetro), é recoberta com moléculas potencialmente cancerígenas e pode ir para a corrente sangüínea.
O estudo, publicado no periódico "Tobacco Control", mediu a quantidade de partículas emitidas durante uma hora por três cigarros dentro de um quarto e a compararam com o total de partículas emitidas no mesmo intervalo por um motor a diesel moderno num ambiente aberto.
O resultado foi surpreendente: os cigarros emitiram até dez vezes mais particulados totais, e a quantidade de partículas grandes foi 15 vezes maior. Outro problema, alertam os autores da pesquisa, é que o particulado costuma ficar em suspensão durante muito tempo num quarto.
Estudos anteriores mostraram que respirar o ar das metrópoles equivale a fumar até três cigarros por dia. A decisão da Califórnia elimina o fator adicional de risco.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2