Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Cortina de Fumaça (10/8/2004)
Mario César Carvalho

Fonte: Folha de São Paulo - Cotidiano 10/08/2004

CORTINA DE FUMAÇA

Artigo diz que a empresa recorreu à mídia para contestar estudo


Philip Morris usou jornalistas

MARIO CESAR CARVALHO
DA REPORTAGEM LOCAL

A Philip Morris dos Estados Unidos usou jornalistas para colocar em dúvida as conclusões de uma agência americana sobre os efeitos letais do fumo passivo. A informação aparece em documentos do próprio fabricante de cigarros, reproduzidos em artigo publicado na edição deste mês do American Journal of Preventive Medicine.
O alvo da campanha foi um relatório de 1992. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA tentou editar um documento que concluíra que o fumo passivo era responsável por um tipo de câncer que causava 3.000 mortes de não-fumantes por ano naquele país (no Brasil, não há estimativas). Estudos sobre fumo passivo existiam desde a década de 60, mas era o primeiro documento público que associava a fumaça no ar à morte de não-fumantes.
A Philip Morris fez de tudo para adiar a publicação desse documento e desacreditá-lo, segundo Richard Hurt, autor do artigo e diretor do Centro de Dependência de Nicotina da Clínica Mayo, uma das mais famosas dos EUA.
Uma das primeiras providências da Philip Morris foi contratar uma empresa de relações públicas, a Burson Marsteller, para colocar em dúvida as conclusões do documento. Segundo um documento da Philip Morris, a Burson Marsteller devia criar dúvidas consideradas razoáveis sobre as fraquezas científicas do relatório sobre o fumo passivo.
(Em 1953, quando surgiram as primeiras pesquisas associando o cigarro ao câncer, a indústria adotou a mesma estratégia -contratou uma empresa de relações públicas e propagou o discurso de que havia controvérsia científica sobre os efeitos do cigarro. Àquela época, a indústria já sabia que cigarro provocava câncer.)
Outro documento da Philip Morris mostra que a empresa contratou um consultor político e de mídia, chamado Richard Hines, para influenciar jornalistas. Em 1993, Steve Parrish, vice-presidente da Philip Morris à época, escreveu que o trabalho do consultor foi responsável por numerosos artigos que apareceram (...) nos principais jornais sobre fumo passivo e o relatório da agência. Parrish é vice-presidente de assuntos corporativos da Altria, grupo criado em 2002 pela junção da Philip Morris e Kraft Foods.
A Philip Morris, segundo o artigo de Hurt, também influenciou a imprensa por meio do Centro Nacional de Jornalismo, uma entidade que era financiada pela fábrica de cigarros.
O pesquisador encontrou os documentos em arquivos que a indústria do cigarro foi obrigada a criar depois que fez um acordo, em 1998, pelo qual pagará uma indenização aos Estados americanos de US$ 246 bilhões até 2018. Só em um dos arquivos, em Minnesota, Hurt diz que foram examinadas 2.500 caixas, cada uma com 2.000 páginas. Ele restringiu o levantamento aos papéis de abril de 1998 a fevereiro de 2002.
Outro documento mostra que a Philip Morris planejava usar o Centro Nacional de Jornalismo para divulgar a posição da empresa sobre fumo passivo por meio de programas de educação para políticos e para jornalistas.
O artigo relata que os financiamentos a centros de discussão e pesquisa (chamados de think tank) resultaram em artigos de jornalistas a eles associados com críticas à agência que havia feito o relatório sobre fumo passivo.

OUTRO LADO

Empresa diz que mensagem é igual para todos

DA REPORTAGEM LOCAL

Porta-voz da Philip Morris dos EUA, Jennifer Golisch disse à Folha que não há mensagem diferente para jornalistas. Nossa comunicação é dirigida ao público em geral, entre o qual os jornalistas. Seguimos as autoridades de saúde. Informamos que elas concluíram que o fumo passivo causa várias doenças em não-fumantes.
A política da empresa, no www.philipmorrisusa.com (em inglês), diz que as autoridades de saúde concluíram que o fumo passivo causa ao não-fumante várias doenças. Também acreditamos que as conclusões sobre a fumaça do cigarro no ambiente são suficientes para justificar medidas que regulamentem o fumo em lugares públicos, afirma o texto.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2