Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Fumo: adiada definição do preço (17/12/2004)
ACTBR

CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, QUINTA-FEIRA, 9 DE DEZEMBRO DE 2004

Custo de produção gera o principal impasse entre indústrias e produtores

Nova rodada de negociação será no dia 11 de janeiro


As entidades representantes dos fumicultores nem chegaram a apresentar sua proposta para o preço do tabaco na safra 2004/2005 no primeiro encontro de negociação com a indústria, ontem à tarde, em Santa Cruz do Sul. As tratativas esbarraram no item custo de produção. Enquanto os agricultores apuraram um aumento de 19,1% em relação a 2003, as empresas de beneficiamento chegaram a um acréscimo de 10%. Um novo encontro foi agendado para o dia 10 de janeiro e, assim, a comercialização terá início só no dia 11 de janeiro.

A diferença no índice do custo de produção se deve principalmente à forma com que as partes envolvidas na negociação calculam o gasto com a mão-de-obra na propriedade rural. As entidades que representam os produtores aplicam o valor que é pago aos contratados, apurado durante o levantamento do custo de produção a todos os trabalhadores. Mas a indústria utiliza apenas o cálculo para os peões, atualizando o valor da mão-de-obra familiar, que constitui 92% do total, pelo INPC. Assim, enquanto as primeiras chegaram a um gasto de R$ 4.529,35 por hectare, as empresas defendem um custo de R$ 3.212,10.

Os fumicultores alegam que houve aumento de 25,2% com mão-de-obra. A indústria insiste no índice de 7,9%. No total, segundo o presidente da Afubra, Hainsi Gralow, o custo de produção ficou em R$ 8.668,44 por hectare para as entidades dos agricultores e em R$ 7.002,85 para as fumageiras. Como a comercialização deve acontecer só a partir de 11 de janeiro, ficou acertado que as empresas irão fazer adiantamentos aos produtores que necessitarem. Conforme o presidente do Sindifumo, Cláudio Henn, isso deverá ser negociado diretamente entre o agricultor e a indústria para a qual produz. Para Gralow, o adiantamento não chega a ser ruim. Mas preferíamos vender, disse.

Fonte: http://www.correiodopovo.com.br/jornal/A110/N70/html/26FUMO99.htm

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2