Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Acupunctura e hipnose têm efeitos nulos para deixar de fumar (28/2/2008)
Fabiana Fregona

Fonte: http://dn.sapo.pt/2008/02/28/sociedade/acupunctura_e_hipnose_efeitos_nulos_.html

28/02/2008

RUTE ARAÚJO

Estudo diz que os remédios são eficazes

Não falta evidência científica sobre os efeitos negativos do tabaco na saúde. E também não faltam tratamentos para deixar de fumar. Contudo, nem todos têm o mesmo efeito. Para ajudar a avaliar a eficácia de cada um, foi ontem apresentado um guia dirigido aos médicos para que aconselhem os melhores métodos aos seus pacientes. As conclusões dizem que os medicamentos são os mais eficazes e que as técnicas alternativas, como a acupunctura, a hipnoterapia ou os estímulos electromagnéticos têm "efeitos nulos".

Desenvolvido pelo Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência, da Faculdade de Medicina de Lisboa, as normas para deixar de fumar partiram da análise dos estudos científicos realizados nos últimos 30 anos, tendo sido escolhidos 54. O director, António Vaz Carneiro, refere que quando se diz que um determinado método não tem efeito é porque não existem provas científicas que o comprovem. Para o coordenador do guia, o tabagismo "é uma das áreas da biomedicina em que mais se investiga" actualmente. E acrescenta que, no caso das técnicas alternativas, "até podem funcionar em alguns casos, mas o objectivo é que os médicos utilizem as terapias que resultem no maior número de doentes". "Infelizmente, esses instrumentos são basicamente inúteis ou têm um efeito negligenciável", defendeu, acrescentando que uma abordagem do tabagismo feita por um médico numa consulta "tem 300 vezes mais resultados".

Além dessa abordagem personalizada numa consulta, os medicamentos, como as pastilhas de substituição de nicotina ou os que bloqueiam os receptores destas substâncias, têm efeitos comprovados. Depois, há técnicas que funcionam como auxiliares. É o caso do acompanhamento telefónico durante o tratamento ou do exercício físico (apesar de, por si só, não produzir efeitos).

O estudo lembra ainda que há populações de risco para as quais o tabaco tem efeitos ainda mais nefastos. É o caso dos doentes com problemas cardiovasculares, respiratórios e das grávidas - "estima-se que a cessação durante a gravidez possa prevenir 10% das mortes perinatais, 35% dos recém-nascidos de baixo peso e 15% dos partos prematuros". António Vaz Carneiro lembra que, apesar de os medicamentos serem o método mais eficaz, nem todos os fumadores têm de ser tratados desta forma. "Deve tentar-se primeiro outras abordagens num jovem de 25 anos sem doenças, que apresenta uma situação completamente diferente da de um doente coronário com 55 anos", exemplifica.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2