Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

I Fórum Brasileiro Antitabagismo - Carta à Nação (31/5/2006)
ACTBR

I Fórum Brasileiro de Antitabagismo

Carta à Nação

O Estado Brasileiro tem de ser intransigente contra o tabagismo

* Considerando o uso do tabaco como fator causal de mais de 50 doenças diferentes, destacando-se as cardiovasculares, o câncer e as doenças respiratórias obstrutivas crônicas;

* Considerando que o tabagismo é um problema de saúde pública, que expõe os usuários a cerca de 4.720 substâncias tóxicas, sendo 60 delas cancerígenas;

* Considerando que milhares de pessoas, inclusive crianças, estão diretamente expostas à poluição tabágica ambiental, suscetíveis às mesmas doenças que um fumante ativo;

* Considerando que, ao consumo de tabaco, podem ser atribuídas 45% das mortes por doença coronariana (infarto do miocárdio), 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema), 90% dos casos de câncer de pulmão, 25% das mortes por doença cérebro-vascular (derrames) e 30% das mortes por câncer;

* Considerando que, no Brasil, são estimadas cerca de 200 mil mortes/ano, ou 547 por dia, por doenças relacionadas ao tabaco;

* Considerando que o consumo de tabaco é um fator que agrava a pobreza;

* Considerando que o cigarro brasileiro é o 6º mais barato do mundo, custando um maço de cigarros menos do que um quilo de pão, realidade que facilita a iniciação e manutenção do consumo;

* Considerando que não há orçamento próprio para o Programa Nacional de Controle do Tabagismo;

* Considerando que o mercado ilegal de cigarros, o fácil acesso, os baixos preços dos produtos e as estratégias da indústria são, atualmente, as principais barreiras para o eficiente controle do tabagismo;

* E considerando, por fim, o custo social do tabaco em assistência à saúde (serviços médicos, prescrição de medicamentos, serviços hospitalares, etc.); perda de produção devido à morte e adoecimento e à redução da produtividade; aposentadorias precoces e pensões; incêndios e outros tipos de acidentes; poluição e degradação ambiental; e gastos com pesquisa e educação. Além de outros intangíveis, como o sofrimento dos fumantes, de não fumantes e seus familiares devido às mortes e perda de qualidade de vida geradas pelo consumo de tabaco e derivados,

as entidades participantes do I Fórum Brasileiro de Antitabagismo subscrevem este documento em prol da criação de políticas públicas, fiscalização e ajustes na legislação para tornar mais efetivos o combate e as ações de prevenção ao tabagismo no País. 

Propomos:

1. Levantamento oficial de custos despendidos com doenças decorrentes do cigarro pelo Ministério da Saúde e órgãos estaduais de saúde com o fim de buscar ressarcimento dos gastos com saúde pública e responsabilizar a indústria financeiramente 

2. Criação de um mecanismo que garanta o financiamento do Programa Nacional de Controle do Tabagismo nos níveis federal, estadual e municipal

3. Implantação efetiva de centros de tratamento de tabagismo no SUS no território nacional

4. Aumento de impostos e preços dos produtos do tabaco com o objetivo de diminuição do consumo de cigarros

5. Criação de sistema de tributação que possa ser, parcialmente ou na íntegra, utilizado para a implementação da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT) no Brasil

6. Criação de regras de fiscalização mais claras e capacitação das Vigilâncias Sanitárias Estaduais e Municipais para a fiscalização da Lei 9.294/96

7. Comunicar o público em geral, através de avisos nos estabelecimentos e de informações nas páginas dos sites da Anvisa e das vigilâncias sanitárias, sobre a existência da lei, bem como disponibilizar um número de telefone, endereço e um endereço eletrônico para que a comunidade possa direcionar reclamações sobre o não cumprimento da Lei

8. Elaboração de emenda à Lei 9294 para que seja totalmente proibida a publicidade de cigarro e de produtos derivados do tabaco

9. Introduzir e ampliar a discussão do tabagismo e de suas implicações em todas as grades de currículo escolar, desde o ensino fundamental até a formação universitária de forma interdisciplinar

10.  Ampliação e fortalecimento da legislação de defesa do consumidor e do cidadão em geral, para permitir a utilização, como meio de prova, da prova estatística ou por amostragem nas ações judiciais de indenização pelo uso do tabaco e seus derivados

11. Sensibilização do Poder Judiciário para apreciação das ações judiciais indenizatórias pelo uso do tabaco e seus derivados, de acordo com o consenso científico com relação às conseqüências do tabagismo

São Paulo, 31 de maio de 2006

Associação Médica Brasileira

Associação Paulista de Medicina

Sociedade Paulista de Oncologia Clínica

Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia

Sindicato dos Médicos de São Paulo – Simesp

Disciplina de Pneumologia da FMUSP

Núcleo de Apoio ao Paciente com Câncer (Napacan)

UNACCAM - União e Apoio no Combate Câncer de Mama

Abrapreci – Associação Brasileira de Prevenção do Câncer do Intestino

Faculdade de Medicina da USP 

IDEC – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

PRO TESTE - Associação Brasileira de Defesa do Consumidor 

Mulheres da Verdade

ADESF – Associação de Defesa de Saúde dos Fumantes

INCA – Instituto Nacional de Câncer

Sociedade Brasileira de Cardiologia/Funcor

REDEH – Rede de Desenvolvimento Humano
RTZ - Rede Tabaco Zero
Cratod – Centro de Referência Álcool, Tabaco e Outras Drogas
FCA – Framework Convention Alliance – Aliança Internacional para a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco
 

Informações adicionais à imprensa

Acontece Comunicação e Notícias

(11) 3871-2331 / 3873-6083 / 3865-4657

Chico Damaso ou Monica Kulcsar

www.acontecenoticias.com.br

acontece@acontecenoticias.com.br

 

RTZ - Rede Tabaco Zero
(11) 9158-1781

Paula Johns

tabacozero@redeh.org.br

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2