Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Cigarro ‘afasta’ marido (3/7/2006)
ACTBR

Fonte: http://www.gazetaderibeirao.com.br/conteudo/mostra_noticia.asp?noticia=1445676&area=92020&authent=5340DE8DB71560EAF9D51627ACD9E1

Pesquisa da maior agência de encontros do País mostra que mulher fumante tem 4 vezes menos chance de ter parceiro

PRISCILA VITELLI
Especial para a Gazeta de Ribeirão

Além de trazer inúmeros prejuízos à saúde, no caso das mulheres o cigarro também é empecilho na hora de arrumar um namorado. Uma pesquisa feita pela A2 Encontros, maior agência de encontros do País, mostra que fumantes tem quatro vezes menos chances de conseguir um parceiro.

Foram ouvidos 1.483 homens com idade entre 30 e 50 anos, sendo 90% com curso superior. A pesquisa revela que os homens rejeitam as mulheres que fumam por relacionarem o hábito à falta de cuidados com a saúde.

Claudya Toledo, diretora do núcleo de pesquisa da agência, diz que o fato que mais chama a atenção é que o número de mulheres fumantes aumentou muito. "Mais curioso é que homens fumantes não aceitam bem as mulheres com o hábito, mas as mulheres que fumam não se importam se seus parceiros são fumantes", afirma.

Ela acredita que, pelo resultado da pesquisa, é hora das mulheres mudarem seus comportamentos. "Eles procuram mulheres com hábitos mais saudáveis de vida, que se cuidem mais", completa.

O supervisor administrativo Rodrigo Biatresato Silveira, 28 anos, é um dos que não aprovam as fumantes. Como ex-tabagista, ele se diz até mais rigoroso do que outros homens. "Não é atraente. Quando saio com meus amigos, até comento, nossa que menina bonita, pena que fuma", afirma.

Silveira fumou durante nove anos e depois que abandonou o cigarro, tenta "evitar" meninas com o vício. "Namorei um ano e meio com uma fumante. A fiz largar o cigarro em um mês", conta.

Ele diz ainda que entre uma fumante e outra não fumante, ele prefere a segunda, independentemente dos atributos da tabagista.

Marco Aurélio Scarpini, editor de imagens de 38 anos concorda. Ele afirma que mesmo se uma mulher for interessante, mas fumante, ele prefere procurar outra sem o hábito.

"Certa vez saí com uma menina, fomos a um barzinho. Ela fumou vários cigarros. Vinha para o meu lado e eu me afastava. Depois que a beijei, fiquei passando mal o dia seguinte todo, não dá", conta. Sua namorada atual, claro, não fuma.

A psicóloga Carolina Junqueira Degani diz que a mulher que fuma, geralmente, tem um perfil mais independente, o que assusta os homens. "É uma mulher que não está muito preocupada com a opinião alheia, e isso pode afastar alguns homens", afirma.

A psicóloga diz ainda que a relação que a pesquisa aponta entre cigarro e falta de cuidados com a saúde faz sentido. "Como ela não sente o cheiro do cigarro, por exemplo, talvez deixe de tomar certos cuidados, como lavar as mãos. Também acredito que o cigarro interfira em no convívio social do casal, o que pode constranger certos homens", completa.

Clésio de Souza Soares, médico e coordenador da comissão de tabagismo do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, diz que há problemas específicos que o cigarro acarreta na saúde da mulher.

"Além de todos os problemas que os homens têm, como cânceres, problemas de coração, derrames cerebrais e outros, a mulher ainda tem os relacionados à gestação", diz.

O médico afirma que pesquisas recentes comprovam a relação entre o câncer de mama e o tabagismo. "30% de todos os tipos de câncer estão diretamente ligados ao cigarro", afirma.

SERVIÇO

Agência A2 encontros, www.a2encontros.com.br

Fumantes dizem que discordam de dados

As fumantes discordam da opinião masculina. Elas dizem que fumar é uma escolha delas e que em um relacionamento ou em uma paquera, o que pesa é a personalidade da mulher.

E dizem mais: se por um lado eles não gostam de mulheres fumantes, elas por outro, não largariam o hábito por causa deles.

Priscila Lacerda, estudante de 21 anos, fuma há quatro. Está solteira, mas diz nunca ter tido problemas amorosos por causa do cigarro. Ela diz que o importante é o respeito entre o casal.

"Já aconteceu de um namorado não fumante não gostar muito, às vezes falar alguma coisa. Mas nunca larguei por causa disso", afirma.

Priscila diz que a mulher tem que ser mais cuidadosa. "O cheiro às vezes também me incomoda, por isso lavo as mãos o tempo todo. Quando chego em casa à noite, depois que tomo banho, também dificilmente fumo", conta.

Elaine Cristina dos Santos, 23 anos, estudante, também está solteira. Mesmo fumando, ela admite não achar muito elegante uma mulher que fuma, mas não pensa em abandonar o cigarro por causa de um homem.

"Mesmo com namorados que não fumam, nunca tive problemas. Mas acabo me relacionando mais com os fumantes", afirma.

Carolina Junqueira tem 19 anos e fuma há quatro. Embora namore, também com um fumante, ela é a mais radical. Só deixaria o vício no caso de uma gravidez. "Largo o namorado, mas não largo o cigarro", comenta.

Ela também admite que o cheiro deixado pelo cigarro nos cabelos e roupas a incomoda. "Se ainda não fumei nenhum cigarro no dia e meu namorado está com o cheiro, me incomoda. Mas nada que seja insuportável", diz. (Gazeta de Ribeirão)

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2