Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Editorial: a ilusão do cigarro "seguro" (28/8/2006)
Paula Johns

 
The New York Times

09:12 28/08

The New York Times

A longa campanha feita pela indústria do tabaco para enganar os fumantes em pensarem que cigarros com "baixos teores", "light" e "ultra light" são mais seguros tem sido bastante eficiente. Cerca de 85% dos fumantes hoje consomem os supostos cigarros mais leves. O que a maioria deles não percebe é que esses cigarros são tão perigosos quanto as versões "normais" que substituíram.
A razão para isso é um fenômeno conhecido como comensação. A maioria dos fumantes é viciada em nicotina e precisam de uma certa dose diária. Se o cigarro light fornecer uma dose muito pequena a cada trago, compensarão a diferença, muitas vezes inconscientemente, ao tragarem mais profundamente, cobrindo os buraquinhos de ventilação dos cigarros ou até fumando mais. Mais de 95% dos fumantes fazem esta compensação, com muitos substituindo por inteiro todos os níveis de alcatrão e nicotina que pensavam estar evitando.

A indústria do cigarro sabe desse fenômeno desde o fim dos anos 60, como foi revelado por documentos internos das empresas citadas numa recente decisão feita por um juiz federal no Distrito de Columbia. Porém, é frustrante saber que as indústrias conseguiram enganar tão facilmente os especialistas em saúde pública e os órgãos regulatórios federais. A Comissão Federal de Comércio adotou um método para testar os cigarros, usando uma máquina que testa a quantidade de alcatrão e nicotina dos cigarros, e em 1981, um relatório do Serviço de Saúde Pública sugeriu até que os fumantes que não conseguiam parar de fumar seriam advertidos a trocarem seus cigarros habituais por aqueles que tiveram melhores resultados no teste. Infelizmente, um cigarro fumado pela máquina pareceria muito mais seguro do que quando fumado por humanos viciados em nicotina.

Não é surpresa alguma perceber que não houve nenhuma diminuição nos riscos de câncer de pulmão e outras doenças relacionadas ao fumo, mesmo que os fumantes tenham substituído seus cigarros pelos mais "seguros". O fumante de cigarros light necessita entender que a indústria não está preocupada com sua saúde e sim, segundo as palavras de um documento interno, de que sua decisão de parar de fumar significaria um "problema em potencial para a indústria do cigarro".

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2