Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Programa em São Paulo trata fumantes há 16 anos e é referência (31/5/2006)
ACTBR

Fonte: http://www.radiobras.gov.br/materia_i_2004.php?materia=266222&q=1

Irene Lôbo
Repórter da Agência Brasil


Brasília – Há 16 anos, em São Paulo, o pneumologista José Roberto Jardim criou o Núcleo de Apoio à Prevenção e Cessação do Tabagismo (PrevFumo), que funciona junto à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O programa se tornou uma referência em tratamento a fumantes no Brasil por alcançar 60% de sucesso no primeiro ano de tratamento, número que cai para 30% no segundo ano de tratamento.

Segundo José Roberto Jardim, os melhores centros do mundo têm em torno de 30% a 40% de sucesso. "Nós não estamos muito preocupados se a pessoa não conseguiu na primeira vez, porque sabemos que hoje a média mundial é de três a cinco tentativas para deixar definitivamente o cigarro", explica o médico.

Em entrevista à Rádio Nacional AM, ele falou sobre estatísticas que mostram: 24% da população adulta brasileira fuma. "Dados do Ministério da Saúde afirmam que em 1989 eram 32% de fumantes e hoje são 24%", comemora. "Hoje a maioria da população brasileira não fuma e a minoria que fuma é porque tem a dependência química."

De acordo com a técnica da Divisão de Controle de Tabagismo do Instituto Nacional do Câncer (Inca), Vera Colombo, o consumo do tabaco está relacionado a 30% dos casos de câncer. Os principais tipos são o câncer de pulmão, boca, laringe, faringe, bexiga, colo de útero e pâncreas.

O cigarro também é responsável por 25% das doenças coronarianas, como infarto do miocárdio, angina e derrame cerebral, e 85% das doenças pulmonares obstrutivas crônicas, como enfizemas e bronquites.

"Na fumaça do tabaco existem substâncias tóxicas, como o monóxido de carbono, que fazem com que haja menos oxigenação no sangue e menos concentração de oxigênio circulando nas células", diz Vera.

A especialista também destaca o risco que correm os fumantes passivos. Segundo estudos internacionais citados por ela, as crianças que convivem com pais fumantes têm 50% de risco de adquirirem infecções respiratórias.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2