Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Data reforça ações de combate ao fumo - MT (31/5/2006)
ACTBR

Fonte: A Tribuna - Mato Grosso
http://www.atribunamt.com.br/?f=ver_noticia&id=28456

Todos os anos cerca de 4,9 milhões de pessoas morrem no mundo inteiro vítimas do uso do tabaco. Caso a tendência de expansão do produto se mantenha, por volta do ano 2020 esse número subirá para 10 milhões de mortes por ano. Metade das vítimas tem entre 35 e 69 anos. Elas perdem a vida no auge de sua produtividade. Queiram ou não os fumantes e a indústria, o cigarro é uma droga, provoca dependência e causa graves transtornos aos usuários. O tabagismo se relaciona a mais de 50 tipos de doenças, como câncer de pulmão, de boca e de faringe, cardiopatias e até impotência sexual. E devido a sofisticadas estratégias de grandes companhias de tabaco, esse grave problema de saúde sobrevive ao tempo e cada vez mais atinge pessoas de todas as idades. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que, a cada dia, 100 mil crianças em todo o mundo tornam-se fumantes.

Na edição do último domingo (28), o jornal A TRIBUNA abordou o assunto com o título "Luta contra o cigarro chega aos produtos Light", focalizando uma das estratégias das indústrias de tabaco, para convencer as pessoas a consumirem seus "produtos". Já na edição de ontem (30), a matéria "Municípios mobilizam população de MT contra perigos do fumo", informou sobre os trabalhos de conscientização que ocorrerão a partir de hoje, somando-se a campanha do Ministério da Saúde "Tabaco, mortal sob todas as formas e disfarces". O tema da campanha faz alusão as novas estratégias adotadas pelas companhias de cigarro para promoverem seus produtos (alguns exemplos: maços de cigarro coloridos, com sabor, marcas com nomes inocentes, charutos, vistosas latas com fumo para mascar, cachimbos, cigarros de palha, de cravo, de Bali, etc).

Hoje, dia 31 de maio, comemora-se o Dia Mundial sem Tabaco. Criada em 1987 para atrair a atenção do mundo sobre a epidemia do tabagismo e sobre as doenças e mortes evitáveis a ele relacionadas, a data é celebrada nos 192 países que compõem a OMS.

Mais de dez mil mortes por dia

Segundo a OMS, o fumo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo. De acordo com a organização, cerca de um terço da população mundial adulta, isto é, 1,2 bilhão de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), são fumantes. Conseqüentemente, o total de mortes devido ao uso do tabaco atingiu a cifra de 4,9 milhões de mortes anuais, o que corresponde a mais de 10 mil mortes por dia.

Pesquisas comprovam que aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam. Enquanto nos países em desenvolvimento os fumantes constituem 48% da população masculina e 7% da população feminina, nos países desenvolvidos a participação das mulheres mais do que triplica: 42% dos homens e 24% das mulheres têm o vício.

Programa estimula vida saudável

Na tentativa de melhorar esse quadro, o Inca coordena em todo o país o Programa de Controle do Tabagismo e Outros Fatores de Risco de Câncer. A idéia é promover ações que estimulem e criem oportunidades para a população adotar comportamentos e estilos de vida saudáveis e que contribuam para a redução da incidência e mortalidade por câncer e doenças relacionadas ao tabaco no país.

O programa tem trabalhado em parceria com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde nas áreas de educação para prevenção da iniciação de jovens no tabagismo, de promoção da cessação de fumar, e de legislação e economia que protejam a população dos determinantes sociais e econômicos do consumo, como as propagandas e os baixos preços. Dentre essas iniciativas destacam-se as que buscam sensibilizar e informar a comunidade e as lideranças em geral sobre o perigo do tabagismo ativo e passivo, divulgar nos meios de comunicação e realizar de eventos como congressos, seminários e outros para envolver um número cada vez maior de profissionais de saúde nessa ação.

Questão de saúde pública

O tabagismo é um grave problema de saúde pública. No Brasil, cerca de 200 mil pessoas morrem por causa do fumo - são 50 doenças relacionadas catalogadas. Segundo a OMS, o risco de doença das artérias coronárias é de três a quatro vezes maior no fumante. Nos pacientes que já apresentaram algum problema cardiovascular, o cigarro pode aumentar a mortalidade em 50%. Porém, alguns dos benefícios gerados pelo abandono do hábito de fumar podem ser sentidos apenas 20 minutos após sua interrupção, entre eles, o retorno da pressão arterial e da pulsação ao níveis considerados normais.

Unidades de saúde do SUS de centenas de municípios em 25 estados brasileiros, incluindo o Mato Grosso, já contam com profissionais capacitados e medicamentos de apoio (adesivos de nicotina e goma de mascar de nicotina).

"Não basta apenas fazer a distribuição dos medicamentos. Mais importante do que eles são os encontros dos grupos de apoio, coordenados pelos profissionais de saúde capacitados", explica Ricardo Meirelles, médico pneumologista, responsável pelas ações de tratamento do tabagismo do Inca. Os grupos estão implementados nesses municípios onde há profissionais capacitados e distribuição de medicamentos.

Nessas reuniões, são trocadas experiências sobre o vício no tabaco e distribuídas apostilas, com dicas para que o fumante consiga lidar com a falta de cigarro e, como se prevenir da recaída. "Cada pessoa que tenta parar de fumar faz isso, em média, quatro a cinco vezes, antes de conseguir abandonar o fumo de vez", diz Ricardo. Ainda assim, o índice de sucesso da abordagem cognitivo-comportamental, associado ao uso de medicamentos, varia de 30% a 40%, no primeiro ano - o que é considerado bastante positivo.

Viver sem fumar

Aprender a viver sem o cigarro não é fácil para nenhum fumante. O maior desafio é vencer as chamadas "armadilhas". Na verdade, são as situações de estresse, angústia e ansiedade, que aparecem no dia-a-dia e estimulam o consumo de tabaco.

Os pacientes em tratamento no SUS para parar de fumar recebem dicas sobre como lidar com o desejo de fumar. Se álcool e café estimula a vontade de acender um cigarro, evite tomá-los. Se o desejo vem depois das refeições, levante-se imediatamente e escove os dentes. A pasta de dentes combinada com o cigarro cria um gosto muito ruim na boca. Beba água gelada ou chupe gelo. A diferença de temperaturas causa desconforto. O mesmo vale para cravo e gengibre.

Os profissionais de saúde sempre reforçam os benefícios de parar de fumar: quem larga o cigarro se sente mais disposto e poupa o dinheiro gasto no consumo desses produtos. A atriz Juliana Knust atesta isso: "Tenho mais disposição para praticar exercícios físicos e até para me divertir. Meu paladar também melhorou. Não sei se é pela felicidade, mas dizem que fiquei mais bonita. Sinto-me totalmente em paz com o meu coração. Só me arrependo de não ter parado de fumar antes".

Serviço

Disque Pare de Fumar do Ministério da Saúde: 0800 703 7033

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2