Artigos
Dados
Fatos em Destaque
Pesquisas
Publicações
Notícias
Rede DCNT

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Os quatro hábitos saudáveis que podem salvar uma vida (3/6/2013)
Revista Veja

http://veja.abril.com.br/noticia/saude/os-quatro-habitos-saudaveis-que-podem-salvar-uma-vida

 

Pesquisa americana concluiu que não fumar, não engordar, adotar a dieta do Mediterrâneo e praticar exercícios físicos com frequência são hábitos que, juntos, podem reduzir em até 80% o risco de morte em um período de oito anos

Cigarro

Cigarro: não fumar é um dos comportamentos saudáveis que podem aumentar a longevidade de uma pessoa (Thinkstock)

Adotar um estilo de vida saudável é uma conhecida recomendação para fortalecer a saúde do coração e proporcionar uma vida mais longa. Agora, um novo estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, determinou quais são os principais hábitos que devem ser seguidos com esse objetivo — e quão benéficos eles são. De acordo com a pesquisa, quatro hábitos saudáveis — que são: praticar atividade física regularmente, manter o peso, seguir adieta do Mediterrâneo e, "principalmente", não fumar — são capazes de, juntos, reduzir em 80% o risco de morte por qualquer causa em um período de oito anos. Os resultados desse trabalho foram publicados nesta segunda-feira no periódico American Journal of Epidemiology.

 

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Low-Risk Lifestyle, Coronary Calcium, Cardiovascular Events, and Mortality: Results From MESA

Onde foi divulgada: periódico American Journal of Epidemiology

Quem fez: Haitham Ahmed, Michael Blaha, Khurram Nasir, Steven Jones, Juan Rivera, Arthur Agatston, Ron Blankstein, Nathan Wong, Susan Lakoski, Matthew Budoff, Gregory Burke, Christopher Sibley, Pamela Ouyang e Roger Blumenthal

Instituição: Universidade Johns Hopkins, EUA

Dados de amostragem: 6.229 homens de 44 a 84 anos de idade

Resultado: Homens que adotaram quatro hábitos saudáveis (dieta do Mediterrâneo, manutenção do peso, atividade física e não fumar) tiveram um risco 80% menor de morrer por qualquer causa em 7,6 anos do que homens que não seguiam nenhum desses hábitos. O hábito mais significativo em reduzir o risco de doenças cardíacas foi não fumar. 

Participaram dessa pesquisa 6.229 homens com idades entre 44 e 84 anos que não apresentavam doenças cardíacas quanto o estudo começou. Eles foram acompanhados por quase oito anos. Durante esse tempo, a equipe de pesquisadores deu uma pontuação que ia de 0 a 4 ao estilo de vida de cada voluntário, considerando os quatro hábitos citados acima. Quem não seguia nenhum desses quatro hábitos recebeu zero, aqueles que seguiam apenas um hábito, um ponto, e assim por diante. Apenas 2% dos participantes receberam a pontuação máxima.

Leia também:
Pesquisa confirma que dieta do Mediterrâneo protege o coração
Corrida em ritmo moderado aumenta expectativa de vida em até seis anos

Segundo os resultados, o risco de um participante que tinha a pontuação máxima morrer por qualquer causa durante o período do estudo foi 80% menor do que o risco daqueles com a pontuação mínima — ou seja, que não seguiam nenhum dos hábitos saudáveis avaliados.

A influência do cigarro — Além disso, os pesquisadores observaram que, entre esses quatro hábitos, o de evitar o cigarro foi o mais significativo em reduzir o risco de doença coronariana e de mortalidade. "Na verdade, os fumantes que adotaram dois ou mais comportamentos saudáveis continuavam a apresentar taxas menores de sobrevivência em comparação com os não fumantes que eram sedentários e obesos", diz Roger Blumenthal, cardiologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins e um dos autores da pesquisa.

Leia também:
Alimentação saudável também protege o coração de quem já tem doença cardíaca
Parar de fumar engorda, mas benefícios ao coração se mantêm

De acordo com Blumenthal, os resultados dessa pesquisa reforçam as recomendações da Associação Americana do Coração, que indica, por exemplo, a manutenção de uma dieta rica em vegetais, frutas, nozes, grãos integrais e peixe e de um índice de massa corporal (IMC) menor do que 25.

"Embora existam fatores de risco os quais as pessoas não podem controlar, como idade e histórico de doenças na família, essas mudanças de estilo de vida são coisas que as pessoas podem mudar e, consequentemente, fazer uma grande diferença na sua saúde. É por isso que acho que essa é tão importante", diz Haitham Ahmed, que coordenou o estudo.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2