Artigos
Dados
Fatos em Destaque
Pesquisas
Publicações
Notícias
Rede DCNT

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

O direito de fazer mal a si próprio (10/1/2015)
Renato Janine Ribeiro/ Zero Hora

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/proa/noticia/2015/01/renato-janine-ribeiro-o-direito-de-fazer-mal-a-si-proprio-4678527.html

Está aumentando a consciência de alguns consumidores, mas as indústrias do alimento parecem mais poderosas que as produtoras de tabaco

por Renato Janine Ribeiro*
10/01/2015 | 16h01
Renato Janine Ribeiro: O direito de fazer mal a si próprio

* Professor titular de Ética e Filosofia Política na USP. Escreve quinzenalmente no PrOA
 

Se um adulto, sabendo dos riscos que corre, quiser fumar? Podemos obrigá-lo a ser saudável?
 

Na década de 1990, o ministro da Saúde José Serra conseguiu proibir a propaganda de fumo na rádio e televisão. Venceu enormes interesses econômicos. Mas, no meio disso, veio uma discussão: pode o Estado impedir alguém de fazer mal a si próprio? Se um adulto, sabendo dos riscos que corre, quiser fumar? Podemos obrigá-lo a ser saudável? E além do mais, que conceito de saúde é esse? Porque, depois de proibir o fumo, proibiremos o que mais? Obrigaremos todos a fazer ginástica, a comer salada? Essa discussão continua.

A questão é boa, mas despropositada. Primeiro, ninguém jamais cogitou de proibir alguém de fumar. O máximo que se fez foi proibi-los de exportar para os pulmões alheios a fumaça cancerígena. Na verdade, a discussão se baseia num velho truque retórico, manjadíssimo: inventa-se um inimigo, que é demolido com argumentos aparentemente tentadores. Só que o inimigo não existe. É apenas uma montagem. Dificultar as ações dos fabricantes de cigarro para seduzir seu público nada tem a ver com retirar liberdade de indivíduos.

Além disso, não estamos num mundo fantasioso em que todos somos absolutamente livres para escolher a rota A ou B. A publicidade do cigarro sempre trouxe aventura e glamour. Marlboro transformava você em cowboy, Camel levava você de Land Rover pela África. Contra essa sedução em massa, não fumar não tinha charme nenhum. Na suposta liberdade de eu escolher o que quero, inclusive a não saúde, os dados estavam viciados.

Li estes dias Regras da Comida, de Michael Pollan, que dá 64 regras para viver melhor comendo melhor. É um libelo contra a comida industrializada. A comida não processada, diz o autor, melhora sua saúde. Você tem mais prazer na vida. Ora, lendo o livro, percebi que várias políticas de defesa da saúde alimentar só podem ser impostas por governos. Consumidores conscientes podem adotá-las, mas serão uma gota no oceano. Assim, cabe deixar a escolha da comida saudável só à decisão de cada um? É ingênuo ignorar o poder imbatível dos alimentos processados, que vem de muito açúcar, muita gordura, muita propaganda na mídia.

Está aumentando a consciência de alguns consumidores, mas as indústrias do alimento parecem mais poderosas e difíceis de enfrentar do que as produtoras de tabaco. Afinal, o fumo é um produto só, a alimentação são muitos.

O que fazer? Pensei em duas ou três medidas que em nada tiram a liberdade do indivíduo. Primeira, ter informação plena sobre os alimentos. Saber se são transgênicos ou não é apenas uma das questões. Segunda, haver divulgação constante das regras da boa alimentação, como por exemplo as vantagens de saladas e grãos. Terceira, uma tributação inteligente. Devemos taxar o refrigerante bem mais que o suco de frutas. Assim, o suco renderá mais ao produtor do que a garrafa de gasosa, mas custará menos ao consumidor – para estimular um a produzir mais, outro a consumir mais. Ninguém pode substituir o Estado nestas tarefas. E contra o alimento processado, nenhuma andorinha solitária faz verão.

 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2