Artigos
Dados
Fatos em Destaque
Pesquisas
Publicações
Notícias
Rede DCNT

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Um quinto dos brasileiros consome doces em excesso, diz pesquisa (8/4/2016)
Folha de S. Paulo

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2016/04/1758570-um-em-cada-cinco-brasileiros-consome-doces-e-refrigerante-em-excesso-diz-pesquisa.shtml

 

NATÁLIA CANCIAN
DE BRASÍLIA
07/04/2016 17h43


Um em cada cinco brasileiros, ou 20,1% da população, consome doces cinco ou mais vezes durante a semana, frequência considerada alta por autoridades de saúde. Entre os jovens de 18 a 24 anos, o índice é ainda maior: 28,5%.

Os dados, divulgados nesta quinta-feira (7) pelo Ministério da Saúde, são da pesquisa Vigitel 2015, que monitora hábitos e fatores de risco à saúde. A pesquisa, feita todos os anos por inquérito telefônico, ouviu nesta edição 54 mil pessoas acima de 18 anos residentes nas capitais do país.

Além dos doces, também é expressivo o consumo regular de refrigerantes no Brasil. Ao todo, 19% dos brasileiros bebe refrigerante ou suco artificial todos os dias, produtos com alta quantidade de açúcar.

Para o Ministério da Saúde, os hábitos preocupam por elevar o risco de doenças crônicas, sobretudo a diabetes, cuja taxa de prevalência vem crescendo na população.

Dados de relatório global da Organização Mundial de Saúde, divulgados na quarta-feira (6), mostram que o número de pessoas com diabetes no mundo quadruplicou entre os anos de 1980 e 2014 –passou de 108 milhões para 422 milhões de pessoas.

No Brasil, 7,4% dos entrevistados na Vigitel 2015 afirmam ter diagnóstico médico de diabetes. Em 2006, esse percentual era de 5,5%.

"Aí entra o risco: se a pessoa consome desde cedo bebidas doces, ao mesmo tempo em que reduz o consumo de hortaliças e aumenta o consumo de alimentos processados, isso aumenta a predisposição a diabetes", diz Fátima Marinho, diretora do departamento de vigilância de doenças crônicas do Ministério da Saúde. Ela elenca o sobrepeso, obesidade e hipertensão como alguns dos principais fatores de risco para doença.

Entre as capitais, Rio de Janeiro e Porto Alegre aparecem com os maiores índices de prevalência de diabetes, com diagnóstico presente em 8,8% e 8,7% da população, respectivamente. Segundo Marinho, os índices podem indicar tanto uma maior frequência da doença quanto maior acesso aos serviços de saúde.

PÉ DIABÉTICO

O diabetes ocorre quando o pâncreas não produz insulina (hormônio que regula o nível de açúcar no sangue) o suficiente ou quando o corpo não consegue usar a insulina que produz. Medicamentos, controle alimentar e prática frequente de atividades físicas são indicados para evitar complicações da doença.

Uma das mais frequentes é o desenvolvimento de feridas em áreas machucadas ou infeccionadas nos pés – o chamado "pé diabético", segundo o Ministério da Saúde, que lançou um manual direcionado a profissionais de saúde com orientações de como identificar e tratar o problema. O objetivo é tentar amenizar o sofrimento dos pacientes e diminuir os índices de internações por este motivo na rede de saúde. Cerca de 20% das internações por diabetes no país ocorrem devido a lesões nos membros inferiores, de acordo com o ministério.

O documento orienta cuidados como inspeção diária nos pés à procura de feridas, preferência por sapatos leves e macios e alerta para sinais de "dormência" no local, além de tratamento imediato de qualquer ferimento. "Sem uma ação rápida, a ferida pode ter complicações e levar à amputação. É fundamental que a população tenha essa orientação [de como prevenir o problema]", afirma.
 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2