Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Brasileiros consomem mais álcool, cigarro e remédios para emagrecer, diz pesquisa (26/11/2006)
Paula Johns

Fonte: Folha de S.Paulo
Cotidiano

25/11/2006

LUCIANA CONSTANTINO
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O Brasil registrou, entre 2001 e 2005, um pequeno aumento no número de dependentes de bebidas alcoólicas e de tabaco. Além disso, cresceu o consumo de alguns tipos de medicamento, principalmente drogas para emagrecer. O país já é apontado por organismos internacionais como o maior consumidor desse tipo de remédio.
Segundo o "2º Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil", divulgado ontem, o índice de dependentes de álcool passou de 11,2% para 12,3% no período, o que representa cerca de 5,799 milhões de brasileiros com idade entre 12 e 65 anos. Já os dependentes de tabaco subiram de 9% para 10,1% -4,7 milhões de pessoas. A maconha aparece em terceiro lugar, com 1,4% de dependentes. Em relação ao álcool, a preocupação é o consumo cada vez mais precoce.
Foram entrevistadas 7.939 pessoas de agosto a dezembro de 2005 em cidades com mais de 200 mil habitantes.
A pesquisa, feita pelo Cebrid (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas), aponta que, ao excluir álcool e tabaco, houve também crescimento dos que dizem ter consumido algum tipo de droga pelo menos uma vez na vida. Sobe de 19,4% para 22,8%. De sete drogas mais apontadas, apenas a maconha é ilícita. Nas outras posições estão estimulantes e tranqüilizantes, ambos usados para emagrecer e que tiveram as maiores altas. O percentual de brasileiros que disseram ter tomado tranqüilizante (benzodiazepínico) subiu de 3,3% para 5,6%. Entre mulheres, o consumo é ainda maior -6,9%. É seguido pelos remédios para estimular o apetite, para os quais não há nenhum tipo de controle para a venda -4,1% afirmaram ter consumido pelo menos uma vez. Já os estimulantes passaram de 1,5% para 3,2%. "Alguns médicos saem da ética médica e prescrevem essas drogas por razões estéticas, não por razões médicas", diz Elisaldo Carlini, do Cebrid. "Além de ter de se manter magra, há um padrão de que a mulher não pode ser histérica", brinca ele.
Já o secretário nacional Antidrogas, Paulo Roberto Uchôa, diz que o país vem procurando intensificar, além das apreensões, os programas educativos.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2