Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Estudo analisa defesa judicial da indústria do cigarro nos EUA (29/11/2006)
Paula Johns

Fonte: Estadao.com.br
Ciência & Meio Ambiente

29 de novembro de 2006

O uso do argumento ´sem prova científica´ de que cigarro causa câncer vem caindo, na medida em que as companhias passaram a reconhecer os riscos

WASHINGTON - A despeito de admitir, em várias oportunidades, que fumar causa câncer, a indústria do tabaco se nega a reconhecer o fato quando a alegação é feita por fumantes que processam as companhias, de acordo com uma análise de ações recentes abertas na Justiça americana. O trabalho está publicado no periódico Tobacco Control.

Os autores da análise estudaram as alegações iniciais e finais da defesa em 34 queixas abertas contra grandes fabricantes de cigarro entre 1986 e 2003.

Cada argumento apresentado pelas empresas foi encaixado em uma de várias categorias, entre elas: falta de prova científica de que o fumo causa câncer; negação de que o queixoso tivesse câncer de pulmão; reconhecimento do câncer de pulmão, mas negação de que a variedade específica fosse causada pelo tabaco; presença de outros fatores de risco; exercício do livre arbítrio por parte do fumante.

O uso do argumento "sem prova científica" vem caindo, na medida em que as companhias passaram a reconhecer publicamente os riscos do consumo de tabaco, partir do final dos anos 90, mas a defesa com base em outros fatores de risco e no livre arbítrio cresceu no mesmo período.

Segundo os autores do estudo, uma comparação entre as admissões públicas de que cigarro causa câncer e os argumentos usados na Justiça podem ser resumidos da seguinte forma: "Sim, fumar causa câncer, mas não em quem processa a gente".

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2