Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Levantamento inédito realizado por ONG brasileira indica que os males do cigarro afetam mais fumantes do sexo feminino do que do masculino, mesmo que as doses diárias de tabaco sejam menores (5/3/2009)
Correio Braziliense

Levantamento inédito realizado por ONG brasileira indica que os males do cigarro afetam mais fumantes do sexo feminino do que do masculino, mesmo que as doses diárias de tabaco sejam menores
________________________________________
Paloma Oliveto
Da equipe do Correio
Edilson Rodrigues/CB/D.A Press

A cabeleireira Jamys começou a fumar na adolescência: “achava elegante”

Quando tinha 18 anos, a cabeleireira Jamys Stefany associava cigarro a glamour. “Achava bonito, elegante”, conta. Hoje, considera o hábito “horrível”, embora não consiga parar. “Já tentei, mas consegui, no máximo, ficar dois dias sem fumar. Me deu tremedeira”, diz. Assim como a jovem de 25 anos, 17,5% das brasileiras com mais de 15 são fumantes, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. E elas correm mais riscos do que podem imaginar, aponta um levantamento inédito da organização não-governamental (ONG) Aliança de Controle do Tabagismo (ACT). O estudo mostra que, embora o tabaco faça mal para ambos os sexos, as mulheres estão mais suscetíveis aos malefícios do cigarro.

A ginecologista Edina de Araújo Veiga Lion, consultora da ACT, preparou o documento Tabagismo e Saúde Feminina compilando diversas pesquisas que relacionam cigarro a gênero. “Os estudos científicos provam que, mesmo com doses menores de exposição, a mulher vai ter danos maiores que os homens”, diz. Segundo ela, ainda não se conhece o motivo pelo qual isso ocorre, mas lembra que o organismo feminino é muito diferente do masculino, com o agravante de que a mulher, ao longo da vida, passa por mais mudanças biológicas, como a gestação e a menopausa. Tantas alterações, acredita, podem ter relação com a suscetibilidade às doenças do tabaco.

A grande preocupação, segundo a médica, é que, embora o número de fumantes esteja caindo em todo o mundo, a organização internacional Association of European Cancer Leagues constatou que, nos países desenvolvidos, as mulheres estão fumando mais que os homens, principalmente entre jovens. No Brasil, a OMS realizou um estudo em 12 capitais brasileiras e verificou que, aqui, já há uma tendência de aumento do hábito entre as mulheres. O índice de estudantes dos ensinos fundamental e médio dependentes variou de 11% a 27% no sexo masculino e 9% a 24% no feminino.

Quarto tipo de neoplasia mais frequente nas brasileiras segundo o Ministério da Saúde (sem considerar o de pele não-melanoma), o câncer de pulmão está crescendo mais entre as mulheres na Europa. Já nos Estados Unidos, é o responsável por 25% de todas as mortes por câncer entre as americanas. Edina conta que, entre os homens, os níveis de mortalidade por esse tipo de neoplasia maligna têm se mantido estáveis ou mesmo caído. Já em relação às mulheres, ocorre o contrário.

O câncer de mama, que afeta 51 brasileiras em cada 100 mil, também está relacionado ao tabagismo. O risco de uma mulher desenvolver o tumor aumenta quando o hábito de fumar começa até cinco anos depois da primeira menstruação. Mulheres sem filhos que fumam mais de 20 cigarros por dia também aumentam suas chances de desenvolver a enfermidade.

Coração
Não é apenas o câncer que afeta as fumantes. A cardiologista Maria do Rocio Peixoto de Oliveira, do Hospital Cardiológico Costantini, em Curitiba, lembra que as doenças cardiovasculares rondam, cada vez mais, pacientes do sexo feminino, principalmente as que têm o hábito do tabagismo. Atualmente, até o período da menopausa, em cada cinco infartos masculinos ocorre um feminino. Já depois dos 50 anos, a diferença cai drasticamente. Para cada dois homens infartados, há um caso entre mulheres. A médica diz que, se parar de fumar, a mulher diminui em 13% o risco de desenvolver esses problemas.

Maria do Rocio alerta ainda para o perigo da dobradinha cigarro e anticoncepcional. Segundo a cardiologista, mesmo que sozinho, o tabaco já provoca problemas no aparelho circulatório, uma vez que facilita a criação de trombos nas artérias. Porém, associado aos hormônios da pílula, o risco de um acidente vascular cerebral (AVC) é pontencializado. E mesmo as mais jovens podem sofrer derrames, embora o risco diminua. “Quem tem mais de 40 tem de abandonar de vez o cigarro ou mudar o método de anticoncepção”, diz. No entanto, a médica revela que a dificuldade para largar o vício é tanta que muitas pacientes preferem largar a pílula ao cigarro.
________________________________________
Os estudos científicos provam que, mesmo com doses menores de exposição, a mulher vai ter danos maiores que os homens

Edina de Araújo Veiga Lion, ginecologista
 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2