Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Se mata lá fora (20/4/2009)
Folha de S Paulo

Pesquisa mostra: 85% dos teens de seis capitais (inclusive os fumantes) são contra cigarro em lugar fechado

CHICO FELITTI
DA REPORTAGEM LOCAL
Aprovada há dez dias pela Assembleia de SP, a lei antifumo foi também uma vitória teen: 85% dos jovens de seis grandes capitais são contra o fumo em ambientes fechados, hábito prestes a ser proibido no Estado.
O número saiu de uma pesquisa Datafolha realizada em dezembro de 2008 com jovens entre 12 e 22 anos, em seis cidades -São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Brasília.
Mesmo os fumantes, 13% dos entrevistados, não curtem a "sauna" de fumaça: 63% dos menores de 22 anos que fumam apoiam a lei.
Uma segunda pesquisa, feita nos últimos três anos pelo Ministério da Saúde em todas as capitais do país e no Distrito Federal, mostra que a preocupação com a fumaça na cara dos outros não diminuiu o número de fumantes.
Em 2006, 14,2% das pessoas com idade entre 18 e 24 anos fumavam. Em 2007, a cifra cresceu para 16,5%. Em 2008, os "fumanteens" somavam 14,8% do total desses jovens urbanos.
Nos três anos de pesquisa do Ministério da Saúde, os garotos tenderam a tragar mais do que as meninas.
Enquanto dois garotos em cada dez fumavam em 2008 (20,1%), pouco mais de uma menina em cada dez (11,6%) tinha o hábito.
As duas pesquisas foram feitas com metodologias diferentes e, por isso, não podem ser comparadas diretamente.

Enquanto é cedo
Pedro (nome fictício), estudante paulistano do segundo ano do ensino médio, é exemplo vivo dos números. Para começar: fuma, mas é contra o cigarro e a favor da lei.
Ele começou no vício aos 12 -o Datafolha mostra que 3% de jovens até 14 anos fumam mais do que um cigarro por dia.
Agora, tem 17 anos e está há dez dias sem tragar. Tenta sair de um grupo -o de fumantes que têm a sua idade (11%, segundo o Datafolha)- e entrar em outro: o de fumantes de até 24 anos que largaram o hábito (10,8% em 2008, segundo o Ministério da Saúde).
Pedro diz que cansou de não ter fôlego e que vai pular fora enquanto não sentiu coisa pior.
Para a lei valer, falta só o governador José Serra outorgá-la (assinar). Depois de 90 dias, ela entra em vigor. Então, só será permitido fumar dentro de casa, na rua, em tabacarias e em quartos de hotel e de motel.
O Ministério da Saúde adverte: 200 mil pessoas morrem vítimas de doenças associadas ao cigarro a cada ano no Brasil
Tenho direito a fumar!
"Acho essa lei uma bobagem. É a mesma coisa da Lei Seca, que funcionou só na primeira semana.
Cigarro não é só um vício. Tenho o direito de fumar! Fumante tem que ter bom senso; eu não vou acender um cigarro dentro de um elevador.
Em barzinhos e baladas, é só ter uma ala de fumantes e problema resolvido.
Sempre vai ter algo pra incomodar: acho fumaça de carro muito mais chato do que a de cigarro. Enquanto pensam em leis antitabaco, diminuem imposto de carros, gerando mais poluição, congestionamento e inúmeros outros problemas.
Se a lei funcionar, com fiscalização, multas e tal, eu deixarei de frequentar vários lugares.
Comecei a fumar com 13 anos. Um cigarro ou outro. Acho que eu nunca fui influenciado por ninguém, mas existe "a pressão", uma "obrigação", já que os amigos fumam."
________________________________________
THAIDE CAIO MARTINS, 19, é estudante do terceiro ano do ensino médio em Campinas

A saúde agradece!
"Eu já esperava que a lei fosse aprovada. É só ter bom senso: ficar num ambiente com aquela fumaça toda é incômodo.
Nunca experimentei cigarro nem tenho a mínima vontade. Talvez seja porque o meu pai fuma e porque perdi um avô por causa de câncer de pulmão.
Não acho que os jovens de hoje fumem menos. O consumo de cigarro deve ser o mesmo da juventude do meu pai.
Fumar ainda é coisa de gente "legal", fica mais fácil interagir quando se está fumando.
Se você está num lugar onde é proibido fumar, fica constrangido e, pouco a pouco, para. A influência do cigarro vai diminuir, porque a lei proíbe o fumo em lugares divertidos.
Já me taxaram de chata, mas muitas vezes me elogiaram. Meu primeiro estágio foi numa ONG contra o tabagismo.
A saúde da população agradece."
________________________________________
NATALIA COELHO, 19, é estudante de direito
 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2