Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Vacina de nicotina passa em teste inicial de segurança (2/12/2005)
ACTBR

Reuters

NOVA YORK - Pesquisa com uma nova vacina de nicotina mostrou que o produto é seguro e bem tolerado e que, quanto mais alta a dose, maior o índice de abstinência.

- Estamos muito felizes por verificar que a vacina tem de fato um impacto significativo no hábito de fumar - disse a médica Dorothy K. Hatsukami, do Centro de Pesquisa do Uso do Tabaco, em Mineápolis. - A descoberta do aumento de abstinência conforme a dose do produto foi surpreendente - acrescentou.

O próximo passo, segundo a pesquisadora, será realizar estudos para identificar a dose ideal e estabelecer um padrão de administração da vacina. Dorothy Hatsukami explicou que a vacina poderá ser útil para ajudar fumantes que desejam abandonar o vício, embora parar de fumar demande também mudanças de comportamento.

- A vacina não pode ser encarada como uma cura milagrosa - ressaltou.

Hatsukami e sua equipe divulgaram os resultados do estudo da edição de novembro da revista "Clinical Pharmacology and Therapeutics".

Em texto que acompanha o estudo, o médico francês Jacques Le Houezec, conselheiro científico sobre tabagismo, afirmou que além de ajudar os fumantes a abandonar o cigarro, a vacina poderá ser usada como ferramenta de prevenção contra o fumo entre adolescentes. E comentou que se isso acontecer, "será a primeira vez que uma vacina será utilizada não contra uma doença, mas para prevenir um comportamento".

A vacina em teste, chamada NicVAX, atua desencadeando a produção de anticorpos que se unem à nicotina, criando um complexo grande demais para conseguir chegar ao cérebro através do fluxo sangüíneo.

O estudo foi feito com 68 fumantes e visava apenas a testar a segurança do produto. Os voluntários receberam placebo ou 50, 100 ou 200 microgramas da vacina, em dias específicos, durante 38 semanas. Os voluntários não foram induzidos a parar de fumar - a menos que quisessem - e 56 chegaram ao final do estudo.

Apesar de a vontade fumar ser considerada um dos possíveis efeitos colaterais, nenhum dos participantes sentiram este desejo. Segundo a médica, isso acontece porque as concentrações dos anticorpos se elevam lentamente. Os efeitos adversos eram geralmente suaves e não muito diferentes dos gerados pelo placebo, disseram os pesquisadores.

Seis dos voluntários que tomaram as doses mais altas da vacina pararam de fumar por 30 dias, em comparação a um que tomou 100 microgramas e nenhum que tomou 50 microgramas - dois participantes receberam placebo.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2