Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Tabagismo é maior entre os mais pobres (28/11/2009)
Folha de S. Paulo

Índice de fumantes na faixa com renda per capita inferior a 1/4 de salário mínimo é de 19,9%; entre os que ganham 2 mínimos ou mais, 13,5%

Dados do IBGE mostram ainda que o vício é maior na zona rural e que, quanto maior a escolaridade, menor o percentual de fumantes

DA SUCURSAL DO RIO

Vendido nas propagandas como algo glamouroso, o hábito de fumar, no Brasil, é proporcionalmente maior nas faixas de renda mais baixa.
Segundo o IBGE, o percentual de fumantes entre os brasileiros com renda per capita inferior a um quarto de salário mínimo é de 19,9%. Entre os que ganham dois salários mínimos ou mais, fica em 13,5%.
As diferenças são ainda maiores quando se analisa a escolaridade. Das pessoas que tiveram menos de um ano de instrução, 25,7% fumam. O percentual vai decrescendo à medida que o tempo na escola aumenta, até chegar a apenas 13,5% entre aqueles que estudaram 11 anos ou mais.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, destacou ontem que, entre os mais pobres, o consumo de cigarro representa um impacto importante sobre a economia das famílias. De acordo com a pesquisa, o gasto mensal médio com o produto era de R$ 78,43 no ano passado, quando o salário mínimo estava em R$ 415.

O estudo revelou também que o cigarro é proporcionalmente mais presente nas zonas rurais, onde a taxa de fumantes chega a 20,4%, acima dos 16,6% registrados nas cidades.

O tipo de cigarro fumado também varia entre as localidades. Na zona urbana, 14,9% da população fuma cigarros industrializados, e 3,6%, enrolados à mão. Na rural, 13,8% fumam cigarros enrolados à mão, e 11,9%, industrializados. Às vezes, uma mesma pessoa consome os dois tipos de cigarro.

Para o diretor do Inca (Instituto Nacional de Câncer), Luiz Antonio Santini, esses dados serão úteis para aprimorar a política de conscientização sobre os riscos do tabagismo. Para ele, o desafio é fazer com que as informações cheguem a todos para assim sensibilizar o maior número de pessoas.

O reconhecimento dos malefícios do cigarro, porém, mostrou-se bem disseminado tanto entre fumantes quanto entre não fumantes. No total, 96,1% das pessoas disseram saber que o tabaco causa doenças graves; 73,1%, que provoca derrame; 85,7%, ataque cardíaco, e 94,7%, câncer de pulmão.

Já o reconhecimento dos riscos do fumo passivo, terceira principal causa de morte evitável do mundo, foi menor: apenas 86,3% dos fumantes disseram acreditar que a exposição de não fumantes à fumaça de cigarro possa causar doenças graves.
Segundo a pesquisa, cerca de 20% dos não fumantes disseram sofrer exposição à fumaça em casa, 22,8%, no trabalho, e 10,1%, em restaurantes.

Regionalmente, a incidência do tabagismo varia de 16,9% (no Centro-Oeste e no Sudeste) a 19% (no Sul). Nessa região, a proporção de mulheres fumantes chega a 15,9%, a maior do país, o que ajuda a explicar o primeiro lugar no ranking do tabagismo.

Dados da Organização Mundial da Saúde mostram que, em 1999, o percentual de homens fumantes nos EUA era de 26%, e de mulheres, de 22%. No Reino Unido, em 1998, esses números eram de 28% e 26%, e no Japão, em 2000, de 54% e 14%, respectivamente. (DM)
 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2