Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Tabaco é um dos fatores de risco (29/1/2010)
O Estado de S. Paulo

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100129/not_imp503478,0.php

Rotina estafante pode causar aumento súbito da pressão
Mariana Mandelli


Rotina estafante, noites mal dormidas, má alimentação, sobrepeso e sedentarismo podem culminar em uma crise hipertensiva como a que o presidente Lula sofreu, afirmam cardiologistas. Hipertensão é o aumento da pressão do sangue nos vasos e, se não tratada, pode causar enfarte, derrame e lesões renais, entre outros distúrbios.

"Mas o indivíduo pode ser normal e, diante de uma rotina de jantares, viagens, qualidade de sono ruim e falta de exercícios físicos, apresentar um aumento súbito da pressão", afirma Celso Amodeo, especialista em hipertensão do Hospital do Coração. "Principalmente na faixa etária do presidente e se a pessoa tiver sobrepeso."

Antes da crise, a pessoa pode ter dor de cabeça, falta de ar, enjoo, cansaço e visão turva. Os médicos alertam, entretanto, que muitos hipertensos não sabem que sofrem da doença, apelidada de "mal silencioso". "Cerca de 20% não sentem nada antes de ter uma crise", afirma Flávio Cure, do Instituto Nacional de Cardiologia. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 23% da população maior ou igual a 18 anos têm hipertensão.

A ingestão de sal e o estresse, segundo os médicos, são grandes inimigos dos hipertensos. Além deles, cigarro e álcool podem agravar ainda mais o quadro hipertensivo. Para evitar a doença, cardiologistas indicam prática de atividades físicas, alimentação saudável, controle do peso e redução do consumo de álcool e cigarro. "Mudanças no estilo de vida são essenciais", afirma Rui Póvoa, cardiologista da Unifesp.

 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2