Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Filtros do cigarro podem matar peixes (19/4/2011)
O Estado de S. Paulo

Os filtros dos cigarros dos cigarros podem matar peixes. Uma equipa de cientistas da Universidade de San Diego fez testes com peixes fluviais e marinhos submetidos a quantidades diferentes de filtros e mediu a mortandade dos animais. O estudo foi publicado na revista Tobbaco Control, um suplemento do British Medical Journal.
“Os filtros de cigarro são a forma de lixo mais comum do mundo”, arranca o artigo de Elli Slaughter e de colegas, da Universidade de San Diego, Estados Unidos. De acordo com o estudo, todos os anos são lançados para o ambiente 5,6 biliões (milhões de milhões) de filtros.

Nos Estados Unidos, os filtros são 30 por cento do lixo apanhado na região costeira dos Estados Unidos, nos cursos de água e em terra. Ao todo, foram recolhidos 2.189.252 filtros de cigarros em 2009.

Os cientistas puseram filtros de cigarro fumados, não fumados e ainda filtros de cigarros fumados e com resto de tabaco na água durante 24 horas. Depois, puseram diferentes espécies aquáticas, entre as quais um peixe de água fluvial, Pimephales promelas e um peixe de mar Atherinops affinis, em concentrações diferentes desta água com as substâncias libertadas dos filtros.

O teste durou quatro dias. Os resultados mostram que nas três situações os filtros libertam sempre elementos tóxicos para a água, que a partir de certas quantidades podem matar.

O pior dos casos é o filtro fumado com restos de tabaco. No caso do peixe marinho, 1,1 filtros por litro é o suficiente para matar metade dos indivíduos. No caso da espécie de água de doce, 0,97 filtros por litro são suficientes para matar 50 por cento dos peixes.

No caso dos filtros fumados, eram precisos 1,8 e 4,3 por litro para matar respectivamente metade dos indivíduos da espécie de água marinha e de água doce. No caso dos filtros não fumados, 5,1 e 13,5 filtros por litro eram letais para 50 por cento dos peixes de água marinha e de água doce.

São utilizados uma grande variedade de químicos durante o crescimento do tabaco e a produção dos cigarros. No caso dos filtros que não são fumados, embora não acumulem os químicos do tabaco queimado, têm substâncias nocivas utilizadas para comprimir a fibras de celulose. Por outro lado, a mortalha tem químicos que servem para a queima do cigarro demorar mais tempo.
 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2