Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

'Cigarro vendido hoje é mais letal que há 50 anos', afirma Matt Myers (2/5/2014)
O Estado de S. Paulo

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,cigarro-vendido-hoje-e-mais-letal-que-ha-50-anos-afirma-matt-myers,1161252,0.htm

Líder antitabagista ainda critica decisão do STF em favor de aditivos e diz que governo está do lado da indústria do fumo
02 de maio de 2014 | 2h 04

Lígia Formenti - O Estado de S.Paulo
BRASÍLIA - Presidente da organização de controle do tabagismo Campanha para Crianças Livres de Tabaco (CTFK), Matt Myers garante que o cigarro hoje é mais letal do que o vendido há 50 anos. Entre as razões para o aumento do risco, afirma, está a mudança do design do cigarro, que permite maior absorção da fumaça pelo fumante. Myers, que esteve no Brasil semana passada, criticou a liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal suspendendo os efeitos da proibição do uso de aditivos no cigarro no País. Para ele, o Brasil perdeu a liderança no combate ao tabagismo. A seguir, trechos da entrevista concedida ao Estado.

Ao ver que o cigarro passou a ser relacionado com câncer de pulmão e doenças cardíacas, a indústria tomou medidas para tentar melhorar a imagem do produto. Mas as mudanças acabaram por aumentar o risco. Recentes estudos feitos nos Estados Unidos mostram que o risco de o fumante morrer de causas relacionadas ao cigarro aumentou em relação ao que era registrado no passado. Artigos mostram, por exemplo, que o risco de desenvolver câncer de pulmão entre homens fumantes dobrou nos últimos 50 anos e, entre as mulheres, é cinco vezes maior.

Como se sabe que o aumento nas taxas de morte é provocado pelo cigarro e não por outros fatores que aumentam o risco de câncer, como a poluição?

Isso foi levado em consideração nas pesquisas. O aumento do risco de câncer em pulmão é provocado principalmente pelas mudanças de design dos produtos derivados do tabaco.

E os aditivos?

Ao constatar o aumento da preocupação da população com a saúde, fabricantes passaram a recorrer aos aditivos para tentar tornar o contato com a fumaça do cigarro na garganta mais agradável. A estratégia foi adotada porque fumantes associam a irritação na garganta ao perigo do produto. O uso de aditivos, ao mesmo tempo que transforma o ato de fumar em algo mais fácil, confere a falsa impressão de que os cigarros atualmente são menos perigosos, porque irritam menos. Além disso, a adição torna o cigarro mais atrativo entre os não fumantes, sobretudo mulheres e crianças. O primeiro cigarro, tendo uma sensação mais suave, incentiva a experimentação. E, o mais cruel, depois do primeiro uso não é preciso muito tempo para que a dependência ao cigarro se desenvolva. Os aditivos permitem à indústria manipular os consumidores.

O Supremo Tribunal Federal suspendeu liminarmente em setembro a proibição do uso de aditivos feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

A decisão do STF vai provocar consequências trágicas para a saúde. A medida da Anvisa havia sido adotada com base em dados científicos e representa um avanço importante para a política de combate ao tabagismo. O STF ignorou os estudos.

A indústria afirma que aditivos são indispensáveis.

Isso não é verdade. Lembre-se que no passado eles afirmavam que seus produtos não provocavam câncer. Nesse caso, há uma quantidade substancial de dados que mostram que os aditivos são usados para alterar o impacto negativo e essa mudança aumenta o risco de iniciação de cigarros entre jovens e o fumo entre mulheres. As evidências científicas que dão base à Anvisa são avassaladores.

Qual é a opinião do senhor sobre a política de controle do tabagismo adotada pelo Brasil nos últimos dez anos.

O Brasil foi por muito tempo líder global na adoção de medidas para redução do tabagismo. Infelizmente, começou a ficar para trás. Medidas foram aprovadas, mas não foram implementadas.

O poder da indústria aumentou? O governo está maleável?

É um comentário triste, mas está muito claro o poder da indústria do tabaco e, ao mesmo tempo, a vontade do governo brasileiro de colocar os interesses da indústria do tabaco acima dos interesses da população. Não há outra explicação. Não há nenhuma razão científica para que o Brasil não avance nas medidas de controle do tabagismo.

A indústria usa como argumento sua importância para economia do País.

O argumento está totalmente equivocado. O fumo causa doenças e perdas de produtividade. Isso traz um impacto negativo à economia. Nos Estados Unidos, boa parte dos estudos mostra que todos os anos são perdidos US$ 250 bilhões em tratamentos relacionados a doenças provocadas pelo cigarro e em perda de produtividade de trabalho.

Os EUA ainda estudam regras para regular o cigarro eletrônico. Eles são uma nova ameaça?

Sou favorável à regulamentação. Além da proibição para venda de menores como foi sugerido, acho importante regras para propaganda e, sobretudo, para o uso de produtos aditivos.
 

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2