Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Sindicato do Fumo na Bahia e a visita do Lula (21/3/2006)
ACTBR

Fonte: Estadão
 
21 de março de 2006 - 14:43

Na Bahia, Lula beija o povo ao lado de Gil e dona Canô


Robson Fernandes/AE
O ministro Gil, Lula e dona Canô na cidade de cachoeira, onde o presidente foi recebido com festa

CACHOEIRA E CRUZ DAS ALMAS, Bahia - Em rápida passagem por Cachoeira, o presidente Lula não fez discurso, não deu entrevista, mas não deixou de ir para os braços do povo. Apertou mãos, abraçou, beijou. Tirou fotos com dona Canô, mãe de Caetano Veloso, convidada especial da presidência na visita à cidade, vizinha de Santo Amaro da Purificação, onde mora a matriarca dos Veloso. Na comitiva, o presidente trouxe outro símbolo da Bahia, Gilberto Gil, ministro da Cultura.

Foi recebido com festa pela população, de 36 mil habitantes e governada pelo PFL. O presidente chegou às 8h45 e uma hora depois já estava em Cruz das Almas, cidade próxima, onde outdoors, faixas e cartazes faziam elogios rasgados ao presidente. "Um, dois três, Lula outra vez" foi repetido em vários momentos pela multidão que assistiu à solenidade de lançamento da pedra fundamental da Universidade Federal do Recôncavo Baiano, que terá campus nos dois municípios.

Charuto baiano

Discreta, uma faixa do Sindicato do Fumo, indagava "Lula, você está na terra do fumo e como vão ficar 110 mil empregados?" Quase ao lado da faixa, com um indiscreto charuto de dois metros nos braços, e uma caixa de charutos "Dom Lula" na mão, o empresário André Dias, 65 anos, destacava-se na multidão, mas não conseguiu entregar o presente ao presidente, mesmo depois do seu discurso em Cruz das Almas. "Eu ia pedir a Lula para fumar charuto baiano e não cubano", observou, bem-humorado. "É preciso fazer propaganda do nosso produto e dar emprego aos baianos".

A presidente do Sindicato do Fumo no Estado, Josenita Souza Salomão, ainda aguarda uma alternativa para os trabalhadores no plantio, beneficiamento e fabricação de charutos. "O presidente usou a gente (empregados do setor) para conseguir uma cadeira na Organização das Nações Unidas (ONU", disse Josenita, que integra a Câmara Setorial do Fumo, em Brasília. "O governo está caprichando no aumento de impostos para acabar com o fumo".

Ela destacou que a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) também tem cobrado altas taxas para as empresas funcionar. A sindicalista pediu um estudo para alternativa de trabalho e de renda para os empregados no plantio e industrialização do fumo. "Se nada for feito, nossa campanha será contra Lula", avisou.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2