Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Dia Nacional de Combate ao Tabagismo iniciou no Paraná (30/8/2006)
Paula Johns

Fonte: Paraná online

Divulgação [28/08/2006]


Há exatos 25 anos, um grupo de médicos paranaenses teve a idéia de criar um movimento anti-tabagismo, fundando uma associação que trabalharia com ações e campanhas permanentes contra o cigarro. A idéia era desestimular a população, especialmente jovens, a iniciar o hábito e vício do tabagismo. Surgia a Associação Paranaense Contra o Fumo, entidade que, mais tarde, seria a co-responsável pela lei federal que instituiu o 29 de agosto como Dia Nacional de Combate ao Fumo.

O primeiro evento de maior importância da Associação foi a Greve do Fumo, em 29 de agosto de 1981. Por meio de divulgação na mídia, foi solicitado a todas as pessoas que não fumassem nesse dia. Pelas ruas centrais de Curitiba, foram recolhidas 147.842 assinaturas de cidadãos que apoiavam o movimento. "O documento resultante foi encaminhado a Brasília, juntamente com o apelo de proibir a propaganda de cigarro em veículos de comunicação impressos e eletrônicos", relembra o médico Jayme Zlotnik, um dos fundadores da Associação Paranaense Contra o Fumo e atual presidente da instituição, que tem parceria com a Sociedade Paranaense de Pneumologia e apoio da Associação Médica do Paraná. O movimento repetiu-se no ano seguinte e um número ainda maior de assinaturas foram coletadas - 205.680.

A força da iniciativa sensibilizou o governo federal e, em 1985, a Associação Paranaense Contra o Fumo foi chamada a Brasília para presenciar o momento da assinatura do então presidente José Sarney, sancionando a primeira lei federal sobre o tabagismo, de caráter educativo.

Ao longo dos anos, a Associação promoveu campanhas como maratonas, seminários, passeios de rua, concursos de cartazes na Biblioteca Pública e ações em escolas, que incentivavam a levar a idéia do anti-tabagismo à educação infantil. "Desta forma, o Paraná entrou para a história como uma das localidades mais atuantes na luta contra o tabagismo e, até hoje, o Dia Nacional de Combate ao Fumo é visto como uma homenagem ao Estado", afirma Zlotnik.

Números

Aos poucos, o cigarro, que já foi visto como hábito da aristocracia e, mais tarde, símbolo de charme, poder e sedução, foi sendo desmascarado. Os malefícios passaram a ser divulgados por entidades no mundo inteiro, além da própria classe médica. Mas, foi só mais recentemente que a legislação nacional finalmente passou a proibir a veiculação de propagandas de cigarro nos meios eletrônicos. Além disso, eventos culturais e esportivos antes patrocinados pelas grandes marcas da indústria tabagista foram desvinculados do cigarro.

Mas, apesar de toda a evolução dos movimentos anti-tabagistas, os números associados ao cigarro ainda assustam:

- um terço da população mundial acima de 15 anos fuma;

- 5 milhões de pessoas morrem por ano, no mundo, em conseqüência de doenças relacionadas ao cigarro - o equivalente a seis mortes por segundo;

- no Brasil, são 200 mil óbitos por ano causados pelo cigarro; e

- em território nacional, 75% dos adolescentes experimentam o cigarro. Destes, 60% evoluem para o uso diário e até 30% acabam tornando-se dependentes.

Os números são resultado de pesquisas oficiais feitas por órgãos governamentais e adotados pela Sociedade Brasileira de Pneumologia. Dessas pesquisas, ainda conclui-se que o número de mulheres fumantes cresce mais do que o de homens.

Em 2003, um estudo promovido pela Organização Mundial de Saúde e, na América Latina, pela Organização Pan-Americana de Saúde, pesquisou estudantes de 13 a 15 anos nas escolas das 12 principais capitais brasileiras - entre elas, Curitiba. Na capital paranaense, observou-se a maior porcentagem de fumantes entre o sexo feminino.

Entre as principais conclusões do estudo sobre Curitiba, notou-se que quatro em cada dez estudantes vivem em casas onde outras pessoas fumam e o mesmo índice de adolescentes têm pais que fumam. Um dado que traz uma boa expectativa é que seis entre dez estudantes manifestam o desejo de parar de fumar.

"É por isso que, ao longo de 25 anos, estamos engajados na luta contra o tabagismo e pretendemos continuar nessa batalha por quanto tempo for necessário, até que seja possível comemorarmos muito mais do que um aniversário de 25 anos - mas, principalmente, o extermínio do cigarro entre nossos jovens", conclui Jayme Zlotnik.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2